Maranhão faz o primeiro censo de lan houses do país


O governo do Maranhão fez uma pesquisa sobre Pontos de Inclusão Digital (PIDs) no Estado e constatou que predominam as iniciativas privadas de lan house/cybercafé, que respondem por 69,3% dos 1.877 PIDs em funcionamento nos 217 municípios do estado. Os primeiros resultados consolidados da pesquisa foram divulgados neste início de ano. Os laboratórios de informática …

O governo do Maranhão fez uma pesquisa sobre Pontos de Inclusão Digital (PIDs) no Estado e constatou que predominam as iniciativas privadas de lan house/cybercafé, que respondem por 69,3% dos 1.877 PIDs em funcionamento nos 217 municípios do estado. Os primeiros resultados consolidados da pesquisa foram divulgados neste início de ano. Os laboratórios de informática instalados em escolas aparecem em segundo na lista e representam 24,9% do total de PIDs (468 pontos), enquanto os telecentros somam 90 unidades (4,8% do total). O levantamento, o primeiro censo de lan houses do país, foi realizado com com apoio do IBICT, do Ministério da Ciência e Tecnologia, e tem por objetivo traçar uma política para o programa de inclusão digital do governo do Estado.

A pesquisa, conduzida pela Secretaria Adjunta de Tecnologia da Informação e Integração do Estado, constatou ainda que a quase totalidade das lan house/cyber café está instalada em área urbana (97,1% contra apenas 2,9% em área rural). Já 85,5% dos laboratórios de informática cobrem a área urbana e 14,5% a zona rural, enquanto 94,8% dos telecentros estão em área urbana e apenas 5,2% em área rural.

Dos 1.877 PIDs, apenas 24% (451 unidades) são geridas pelo setor público. O terceiro setor responde por apenas 3% (57 PIDs), enquanto o setor privado  é responsável por 29,1% (546 pontos). A maior parte dos 1.877 pontos de inclusão é mantida por empresa informal (responde por 821 pontos, ou 43,7% do total).

Conexão

Dos Pontos de Inclusão pesquisados, 26,2% acessam a internet com velocidade de até 256 Kbps, enquanto 20,8% contam com velocidade que varia de 512 Kbps a 1 Mbps (via ADSL, rádio, satélite, cabo e wireless) e 13,9% estão na faixa entre 256 Kbps e 512 Kbps. Apenas 8,8% têm acesso a velocidade de 1 Mbps até 4 Mbps. Outros não souberam informar e há, ainda, 11,3% dos pontos sem conexão (laboratórios de informática e telecentros).

Anterior Portabilidade: 35,8% dos telefones fixos migram para a Embratel.
Próximos TCU muda de posição e aceita software livre em pregão do Minicom