Mais pontos Gesac para comunidades indígenas


O Ministério das Comunicações quer ampliar a presença de pontos Gesac (Governo eletrônico – serviço de atendimento ao cidadão) em aldeias indígenas. Dos mil novos pontos do programa que serão instalados no país, até 220 deverão ser destinados a comunidades indígenas. A demanda para instalação dos pontos de conexão foi identificada a partir da 4ª Conferência …

O Ministério das Comunicações quer ampliar a presença de pontos Gesac (Governo eletrônico – serviço de atendimento ao cidadão) em aldeias indígenas. Dos mil novos pontos do programa que serão instalados no país, até 220 deverão ser destinados a comunidades indígenas. A demanda para instalação dos pontos de conexão foi identificada a partir da 4ª Conferência Nacional de Saúde Indígena, realizada no final do mês passado em Rio Quente (GO), e que contou com um telecentro Gesac.

Segundo Heliomar Medeiros, diretor de Serviços de Inclusão Digital do Minicom, inicialmente serão implantados dez pontos-pilotos em aldeias que pertecem aos distritos sanitários de saúde indígena mapeados pela Funasa e estejam localizadas nas regiões Norte e Nordeste. A seleção das comunidades será feita a partir de uma avaliação do Fórum de Lideranças Indígenas, Minicom e Funasa. A idéia é que os pontos sejam instalados no segundo semestre. De acordo com Medeiros, entre os critérios de seleção serão considerados maior grau de dificuldade de comunicação da comunidade, menor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e maior incidência de doenças. “Queremos levar às aldeias serviços de telemedicina e educação à distância”, frisa Medeiros.

Durante a Conferência de Saúde, cerca de 50 indígenas receberam treinamentos nas 30 máquinas colocadas no telecentro Gesac, que recebeu a visita de 400 pessoas. Os índios receberam informações sobre como usar a internet e o portal do Gesac (ID Brasil), como construir páginas na rede e como elaborar projetos de inclusão digital. Pontos Gesac instalados nas localidades de São João das Minas (MG), Cabrália (BA), Itaituba (PA) e Bahia da Traição (PB) conectaram comunidades indígenas com a conferência de saúde permitindo que os índios, mesmo de longe, participassem de oficinas.

UIT

Além da parceria com a Funasa, o ministério também estuda participar de projeto com a UIT (União Internacional de Telecomunicações) para ampliar a inclusão digital das comunidades indígenas brasileiras. Esta semana, representantes da UIT de Brasília e de Genebra, da Nação Navajo, que representa indígenas de quatro estados dos Estados Unidos, e da organização não governamental Comitê Intertribal, estiveram no ministério para conversar sobre a participação do Gesac no projeto. Segundo Medeiros, na Cúpula Mundial da Sociedade da Informação, realizada em Túnis (Tunísia), no final do ano passado, a UIT aprovou uma recomendação de se criar um portal global na internet voltado para as comunidades indígenas.

Anterior Telemar tem novo coordenador de comunicação
Próximos TV digital: o processo ainda vai longe.