Em evento político, o governo federal lançou, nesta segunda-feira (12), o programa Internet para Todos, com a presença de 2.471 prefeitos em Brasília. A expectativa do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, é de fechar novo lote de adesão em três semanas, para atender todos os municípios brasileiros. “Estamos escrevendo uma nova página na história do país”, disse.

Para o presidente Michel Temer, a iniciativa coloca o Brasil no mundo moderno, nas mesmas condições de acesso à banda larga que outros países avançados do mundo. “Esse projeto é resultado da ação extraordinária de Kassab”, afirmou.

A expectativa do MCTIC é levar a banda larga a cerca de 40 mil localidades não atendidas com o serviço. O programa, que é uma evolução do Gesac, usará a capacidade do satélite geoestacionário brasileiro, com condições de oferta de internet a baixo custo, já que é isento de ICMS. Para os municípios, a despesa se resumirá aos custos de segurança dos equipamentos e dos gastos com energia.

Segundo o ministério, o termo de adesão assinado pelos prefeitos define a infraestrutura básica e as condições para a participação dos municípios no programa. As prefeituras devem indicar onde serão instaladas as antenas para distribuição do sinal de internet.

Os municípios beneficiados nesta primeira fase do Internet para Todos começarão a receber as antenas em maio, e a expectativa é que sejam instaladas 200 antenas por dia. A operação será feita pela empresa Viasat, dos Estados Unidos, que foi contratada pela Telebras.

Saúde

Durante a cerimônia, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, anunciou a contratação de 10 mil conexões do satélite para informatizar os postos de saúde de localidades remotas. O valor do contrato não foi revelado.