Maior satélite da Embratel, Star One é lançado com sucesso


A Embratel Star One lançou hoje, 21, o seu satélite D1, o maior da companhia, com bandas C, Ku e Ka, para atender ao mercado de TV e de banda larga. Com investimentos de US$ 400 milhões, o satélite ira irradiar o Brasil, as Américas do Sul, do Norte e Central

Satélite da Embratel lançado em 21 de 12 de 16
Satélite da Embratel lançado em 21 de 12 de 16

A Embratel Star One anuncia hoje, 21,  o lançamento bem-sucedido do Star One D1. O novo satélite é resultado de mais de US$ 400 milhões de investimento e garantirá a oferta de uma nova capacidade satelital no Brasil e nas Américas do Sul, do Norte e Central. Está equipado com Bandas C, Ku e Ka.

Como nono integrante da frota da empresa, o Star One D1 é o maior já construído pela Embratel Star One. Faz parte da quarta geração, batizada como Família D, e complementa a estrutura já composta por cinco satélites em órbita geoestacionária (Star One C1, C2, C3, C4 e C12) e por três em órbita inclinada (Brasilsat B2, B3 e B4).

“Estamos muito felizes com o anúncio de hoje, que reforça nossa liderança de mercado no Brasil. Vamos ampliar as transmissões de dados do grupo, ter uma nova estrutura de backhaul de telefonia celular e acelerar a disseminação de banda llarga no Brasil”, comemora José Felix, Presidente da América Móvil no Brasil, grupo de telecomunicações responsável pela Embratel Star One, Embratel, Claro e NET.

“Com esse lançamento, fortalecemos nossa posição como uma das maiores empresas de satélites no mundo e reafirmamos nosso compromisso em assegurar o crescimento e a qualidade da frota da Embratel Star One”, diz José Formoso, CEO da Embratel.

O Star One D1 ocupa a posição orbital de 84° W e está equipado com as Bandas C, Ku e Ka – tecnologia que disponibiliza novas aplicações satelitais a custos atrativos. Com 6,3 toneladas, o novo satélite foi construído pela empresa canadense-americana SSL – Space Systems Loral e foi lançado em órbita por um foguete da francesa Arianespace. Possui 28 transponders (receptores e transmissores de sinais) em Banda C para garantir a disponibilidade de sinais de voz, TV, rádio e dados, incluindo Internet.

Tem 24 transponders na Banda Ku para assegurar a oferta de serviços de transmissão de vídeos, além de internet e telefonia para localidades remotas. Cerca de 300 transponders em Banda Ka permitem o acesso à banda larga de baixo custo via satélite e a transmissão de dados em altíssima velocidade. (assessoria de imprensa).

Anterior Nokia processa Apple por infração de patentes
Próximos Sky faz reorganização societária

4 Comments

  1. Jose Manuel
    22 de dezembro de 2016

    É o resultado de longo esforço, conhecimento e dedicação. É uma honra imensa fazer parte dessa História.

    • Braulison
      23 de dezembro de 2016

      Sou leigo no assunto e gostaria de fazer algumas perguntas, apenas por curiosidade acerca deste grande feito. 1- não entendi porque o equipamento foi feito fora do Brasil? 2- o projeto é todo nacional? 3- qual percentual de partes internas fabricadas no Brasil?

  2. 27 de dezembro de 2016

    Boas notícias pro pessoal das regiões remotas, que ainda não conseguem se conectar à internet.

    Será que agora a internet via satélite terá um preço accessível também nas regiões rurais?

  3. 2 de Janeiro de 2017

    Tenho muito interesse em comercializar banda larga em banda ka em regiões rurais