Mackenzie e ZTE fazem parceria em Laboratório de Telecomunicações


Parceria com a gigante chinesa incrementará o curso de Engenharia Elétrica da Instituição com novas tecnologias na área de Redes de Telecomunicações. Os investimentos ultrapassam R$ 100 milhões

laboratorio mackenzie zte
O laboratório, no Mackenzie, construído em paceria com a ZTE. (Foto: Divulgação)

A Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) inaugura na próxima semana o Laboratório de Telecomunicações Mackenzie – ZTE, em São Paulo. O laboratório foi construído em parceria entre a Escola de Engenharia da UPM – Engenharia Elétrica – e a ZTE Corporation, fornecedora de soluções em telecomunicações.

A cooperação incrementará o curso da universidade, dando acesso a pesquisa e testes com novas tecnologias na área de Redes de Telecomunicações, como 5G, por exemplo. Os investimentos ultrapassam R$ 100 milhões, a maior parte custeada pela multinacional chinesa.

O laboratório ocupa área de 90m2 no camps da UMP, e tem equipamentos de rede de transmissão de dados e transporte óptico; wireless 2G, 3G, 4G (LTE), 5G; ADSL; IPTV; simulação de rede (treinamento e projetos); energia – suprimento de Data Centers; micro-ondas; equipamentos que permitem também aplicações na área de Redes Elétricas Inteligentes (Smart Grid), e Sistemas de Potência em geral. Há também equipamentos disponíveis para criação de uma Operadora de Telecomunicações completa e sala de treinamento para cursos.

PUBLICIDADE

“A parceria com uma empresa desse porte na área tecnológica, abre as portas para, além da montagem do laboratório, se obter outros benefícios tais como: parcerias e intercâmbio com universidades chinesas, transferência de tecnologias para consultoria, projetos e novos cursos e desenvolvimento de pesquisas em novas áreas”, ressalta Paulo Alves Garcia, coordenador do curso de Engenharia Elétrica da UPM. A ZTE tem parcerias com projetos de pesquisas tecnológicas em 50 instituições acadêmicas em toda a China, onde é um membro ativo da China Communications Standardisation Association (CCSA). (Com assessoria de imprensa)

Anterior "Haverá caminhos para cobrar a presença de conteúdo nacional no VOD", diz Rangel, da Ancine
Próximos AT&T não vende nem amplia atuação da Sky/Direct TV, por enquanto.