Lucro líquido normalizado da TIM aumenta 32,1% em 2019


A TIM divulgou na noite desta terça-feira, 11, os resultados financeiros para o ano de 2019. A operadora registrou aumento de 32,1% no lucro líquido normalizado (aquele que exclui efeitos não recorrentes, como vitórias ou derrotas judiciais, por exemplo). O número atingiu R$ 2,05 bilhões. A receita líquida anual aumentou 2,3%, para R$ 17,37 bilhões.

Desse faturamento, R$ 16,59 bilhões vieram de serviços. O maior volume segue no serviço móvel, que teve receitas de R$ 15,6 bilhões, uma expansão de 1,9%, puxado pelo aumento do consumo de produtos pós-pagos. No serviço fixo, a tele registrou crescimento de 11,3%, para R$ 949 milhões.

A companhia apresentou ainda ligeira queda de 0,3% nos custos, para R$ 10,57 bilhões. O EBITDA normalizado (lucro antes de impostos, depreciações e amortizações) somou R$ 6,79 bilhões. Já a margem EBITDA normalizada ficou em 39,1%, ganhando 1,6 p.p. O capex da companhia no ano foi de R$ 3,85 bilhões, 0,6% acima do investimento realizado em 2018.

Incluindo os efeitos não-recorrentes, que são excluídos nos índices normalizados, a companhia apresentou crescimento de 47,9% do lucro líquido anual, que atinge R$ 3,76 bilhões. O EBITDA, por sua vez, foi de R$ 8,3 bilhões, 30,7% superior ao de 2018. Os itens não recorrentes incluem créditos fiscais, contingências trabalhistas e ajustes aos impostos diferidos.

4º trimestre

Tomando-se por base apenas o quarto trimestre de 2019, comparado a igual período de 2018, a companhia apresentou receitas 2,9% maiores, de R$ 4,58 bilhões. No móvel houve aumento de 2,6% nas receitas, enquanto no fixo a expansão foi de 15,1%, embora o fixo da TIM seja ainda pequeno em relação ao celular.

O EBITDA trimestral normalizado atingiu R$ 1,96 bilhão, após crescer 8,1%. Já o lucro líquido normalizado somou R$ 756 milhões, alta de 28,7%. Sem os efeitos de normalização dos dados, a companhia encerrou o ano com alta de 19,6% no lucro líquido e de 8% no EBITDA.

A companhia terminou dezembro com endividamento de R$ 3,41 bilhões, alta de 2,7%.

Operação

No âmbito operacional, a TIM fechou 2019 com retração base móvel em função do desligamento de clientes pré-pagos. A tele terminou o ano com 54,44 milhões de clientes no celular, 2,6% a menos que em 2018.

No pré, o encolhimento foi de 7,6%, chegando-se a 32,98 milhões de usuários. No pós-pago, no entanto, houve aumento de 6,1%, atingindo-se 21,46 milhões de acessos. Na telefonia fixa a empresa cresceu 20,3%, somando 1,08 milhão de acessos. E na banda larga fixa, expandiu-se 21,1%, para 566 mil assinantes.

Anterior Claro Brasil fecha 2019 com expansão de receitas, apesar da retração no DTH
Próximos MWC 2020 tem novas baixas por temores quanto ao novo coronavírus

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *