Lucro líquido da Telefônica cresce 22,2% no trimestre


A Telefônica anunciou lucro líquido contábil de R$ 1,34 bilhão no primeiro trimestre de 2019, resultado 22,2% superior ao registrado em igual período do ano passado (R$ 1,09 bilhão), conforme balanço divulgado nesta quinta-feira, 9. Para a companhia, este desempenho está relacionado ao contínuo controle de custos, sólida expansão do Ebitda e às menores despesas financeiras incorridas no período.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) chegou a R$ 3,90 bilhões, com crescimento de 2,9% ante o resultado do 1t2018. E a margem Ebitda de 35,6% alta de 0,4 pontos percentuais na mesma comparação.

Custos operacionais crescem 1,1% a/a no 1T19, devido principalmente aos maiores gastos decorrentes da venda de aparelhos, compensados pelas iniciativas de simplificação, eficiência e digitalização. Mas, destaca a prestadora, excluindo gastos com CMV, os custos totais ficam reduzidos em 2,9% a/a;

A receita operacional líquida cresceu 1,7% na comparação ano a ano, para R$ 10,97 bilhões, puxada pelo desempenho de pós-pagos, terminais e FTTH. A receita de serviços móveis cresceu 1,6% a/a, devido ao forte crescimento de ARPU e acessos pós-pagos; a receita de FTTH alcança R$ 437 milhões (+49,6% a/a), e já representa 31,5% das receitas de banda larga; e a receita de IPTV alcança R$ 199 milhões (+45,1% a/a), representando 42,3% das receitas de TV.

No serviço móvel, o ARPU (receita média por usuário) cresceu de R$ 28,4 para R$ 29,5 também na comparação anual, alta de 3,8%. Já o churn mensal (taxa de perda de receita com desligamento do cliente) cresceu 0,1 ponto percentual, para 3,2%.

O total de acessos da Telefônica/Vivo atingiu 73,52 milhões ao final de março de 2019, representando uma redução de 2,1% frente ao 1T18. O pós-pago continua crescendo de maneira consistente, alcançando 41,02 milhões de acessos (+9,4% a/a), o que representa 55,8% da base de acessos móveis, um incremento de 5,9 p.p. no comparativo anual.

A companhia destaca também o desempenho no mercado de Machine-to-Machine (M2M), que segue em forte expansão e atingiu 8,68 milhões clientes em março de 2019, um crescimento de 30,1% quando comparada ao mesmo período do ano passado. A Telefônica Brasil também detém a liderança neste negócio, com market share de 41% em março de 2019.

A base total de acessos fixos da Telefônica somou 21,46 milhões no 1T19, com redução de 5,5% em relação ao primeiro trimestre de 2018. A companhia justificou o resultado principalmente pelo desempenho dos acessos de voz e acessos de banda larga xDSL, devido à maturidade dos serviços, e pela decisão estratégica de não priorizar o crescimento do negócio de TV por assinatura na tecnologia DTH. Nesse segmento, a receita líquida recuou 3,2%.

No balanço divulgado nesta quinta-feira, 9, a receita de Dados Corporativos e TI cresceu 4,8% a/a no 1T19, em função do bom desempenho das receitas de novos serviços, como dados, cloud, e serviços de TI. Já a receita de Voz apresentou redução de 18,4% no período em relação ao 1T18, devido principalmente à maturidade do serviço, à substituição fixo-móvel e à última redução da TU-RL e TU-RIU, ocorrida em fevereiro de 2019, como explica a companhia.

Anterior Defesa da CFO da Huawei presa no Canadá reafirma ilegalidade do processo de extradição
Próximos Telefonica Vivo reajusta preços no pré-pago e CEO pede racionalidade do setor