Lucro líquido da Algar Telecom cresce 13% no trimestre


A Algar Telecom divulgou hoje, 12, o balanço financeiro para terceiro trimestre do ano, encerrado em setembro. A companhia registrou crescimento de 13% no lucro líquido, que atingiu R$ 46 milhões. O EBITDA consolidado aumentou 19%, para R$ 177,5 milhões. A receita líquida ficou em R$ 617 milhões, 7,9% mais alta que no mesmo período de 2014.

A receita bruta cresceu 7,7%, para R$ 784,6 milhões. Deste total, R$ 566,5 milhões vieram de vendas em telecomunicações e R$ 218 milhões de serviços de soluções integradas de TIC e BPO. A divisão de telecomunicações cresceu 9,2% no período, enquanto a de BPO, 3,9%.

Dentro dos serviços de telecom, a concessão se manteve como maior geradora de receita da operadora. Os negócios fixos geraram receita bruta de R$ 453,7 milhões, 8,1% mais que um ano atrás. Segundo a empresa, os ganhos foram impulsionados pelo aumento da demanda por serviços de dados. Tanto que a receita com vox fixa caiu 3,2%, para R$ 95,6 milhões no trimestre.

As receitas de uso de rede aumentaram 4,3% no comparativo anual, somando R$ 17,1 milhões no 3T15 e R$ 16,4 milhões no 3T14. A receita de serviços de dados alcançou R$ 271,8 milhões, incremento de 12% quando comparada à do 3T14. Esse resultado foi impulsionado tanto pelos serviços de dados prestados ao mercado corporativo da área de autorização (13,7%) quanto pelos serviços de banda larga fixa (10,9%), em virtude do aumento da base de clientes e da migração de clientes para planos de maior velocidade ofertados sobre a nova rede FTTH (Fiber to the home), de maior ticket médio.

As receitas de TV por assinatura da Companhia foram de R$ 30,5 milhões no trimestre, uma queda de 13,8% em razão do menor número de assinantes devido a ações de limpeza de base e adequação do perfil dos clientes.

A receita bruta consolidada do negócio móvel totalizou R$ 112,8 milhões, crescendo 14,1%. Disso, R$ 80,4 milhões vieram da voz móvel, aumento de 17,9% sobre o ano anterior, devido a um crescimento da base de clientes. As receitas com dados móveis somaram R$ 24,3 milhões no 3T15, uma elevação de 24,6% em função do aumento da base e da demanda por pacotes de dados.

As despesas da companhia cresceram 4%, para R$ 439,5 milhões no período. O capex foi de R$ 123,5 milhões, dos quais, 66% destinados à expansão de redes, 25% a manutenção da operação, e 9% à expansão de soluções de TIC e BPO. A dívida líquida da operadora soma R$ 1,156 bilhão, 5% maior que em dezembro de 2014. A relação EBITDA/dívida é de 1,81x.

A Algar opera em 113 cidades de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul. Em telecomunicações (banda larga, TV, telefonia móvel e fixa), possui 3,243 milhões de unidades geradoras de receita, 10,5% mais que em 2014.

Anterior Algar confirma aumento de cadeiras no Conselho de Administração
Próximos Mudança de cronograma do desligamento da TV analógica volta à estaca zero