Lucro da Algar sobe 68,5% no 1º trimestre


TeleSintese-Dinheiro-dividendo-Caneta-oculos-papeis-Fotolia_77379974

O grupo mineiro Algar divulgou hoje (24) seus resultados do primeiro trimestre de 2018. A empresa obteve aumento de receita e no lucro. O desempenho tem reflexo do avanço dos negócios no mercado corporativo, escalada do consumo de dados e da banda larga fixa.

A companhia registrou receita bruta de R$ 913 milhões no primeiro trimestre, 6,7% maior que no mesmo período de 2017. Apenas a unidade de telecomunicações, a Algar Telecom, teve receitas de R$ 666,2 milhões, 6,6% maior que um ano antes.

A receita líquida do grupo ficou em R$ 706,6 milhões, alta de 8,1%. O EBITDA (lucro antes de amortizações, juros, impostos e depreciação) foi de R$ 210,6 milhões (+23,7%). O lucro líquido alcançou R$ 56,1 milhões, uma alta de 68,5% em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

Segmentos

O mercado corporativo representou mais da metade das receitas da tele no período. A Algar Telecom afirma que vem colhendo resultados da expansão de sua rede, que terminou o período atendendo Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Bahia, Ceará, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.

A empresa viu encolher o faturamento com voz, tanto no segmento corporativo, quanto no varejo móvel. A queda foi de 6,5% e 20,5%, respectivamente. Apenas a voz fixa cresceu, na esteira de ofertas conjuntas de banda larga fixa.

Em compensação, o consumo de dados saltou 17,1% no mercado corporativo, enquanto a banda larga fixa cresceu 14,3%, e a móvel, 12,3%. Na TV paga, a operadora teve pouca variação, de +1,3%.

Segundo a operadora, mais da metade dos clientes de banda larga fixa, no varejo, assinam planos de mais de 10 Mbps. Como estes planos têm tíquete médio mais alto, houve melhora na geração de receitas.

A empresa continuou desligando usuários móveis pré-pagos. A base encolheu 1,9% no trimestre, em relação ao final de 2017. Mas no pós-pago atraiu consumidores. A base, neste caso, aumentou 4,2% em relação ao final do ano passado.

O serviços de telecomunicações terminaram março com receita média por usuário (ARPU) de R$ 21,6. Alta de 8,1% ano a ano.

O Capex no período foi de R$ 114 milhões, acima dos R$ 98 milhões investidos no primeiro trimestre de 2017. A maior parte do dinheiro foi destinada à expansão da rede. A Algar terminou março com endividamento bruto de R$ 1,69 bilhão, 4,9% acima do registrado em dezembro. A empresa justifica o aumento pela captação de R$ 100 milhões no mercado, por parte de sua subsidiária de TI. A dívida líquida ficou em R$ 1,47 bilhão.

Anterior Relatório da Opensignal aponta a TIM como operadora com maior cobertura 4G
Próximos GDPR entra em vigor e aquece mercado de consultorias no Brasil