Livraria Cultura entra no mercado de leitor digital



A Livraria Cultura anunciou nesta sexta-feira (14) um acordo com a Kobo, fabricante de e-readers, para lançar até novembro um equipamento com sua assinatura e marcar definitivamente sua entrada no segmento digital.

“A escolha da Kobo foi algo muito natural. Queríamos uma plataforma livre e de qualidade. Além disso, o aparelho teria que ser referência, para que nós tivéssemos a confiança no produto para associar a nossa marca. Além do equipamento, que só será comercializado no Brasil com a assinatura da Livraria Cultura, a parceria prevê o incremento do nosso acervo de e-books. Juntos, Livraria Cultura e Kobo disponibilizarão cerca de 3 milhões de títulos, dos quais mais de 15 mil estarão em português”, informa Sergio Herz, CEO da Livraria Cultura.

“Estamos extremamente satisfeitos em trazer ao Brasil nossa linha premium de e-readers, a partir dessa parceria com uma marca forte como a Livraria Cultura. A expectativa é que a venda de e-readers e e-books cresça significativamente nos próximos meses, e a Kobo e a Livraria Cultura estão trabalhando em sintonia para oferecer ao leitor brasileiro uma experiência rica e completa de e-reading”, diz Todd Humphrey, vice-presidente executivo de Desenvolvimento de Negócios da Kobo.

De acordo com a Livraria Cultura, um dos grandes diferenciais do Kobo Livraria Cultura, em relação aos demais, é  a possibilidade dos produtos feitos para a plataforma funcionarem em diversos sistemas operacionais. Isso quer dizer que os e-books são distribuídos em padrões abertos, ou seja, não estão presos aos dispositivos e apps (tem para iOS, Android e BlackBerry) da Kobo. Trata-se de um diferencial essencial do aparelho: é bom para os leitores, que podem consumir seus livros em qualquer lugar, e bom para as editoras, que não ficam à mercê da empresa.

A data do início das vendas, o preço e os detalhes do e-reader serão anunciados em breve. “Nossa expectativa é movimentar, de fato, o mercado nacional de e-books e e-readers. Um equipamento de alta qualidade certamente terá boa aceitação do mercado. Com a facilidade e o incentivo ao acesso de e-books por meio de um equipamento de qualidade, as editoras também irão investir mais em lançamentos de títulos em versões digitais, ampliando a oferta aos leitores brasileiros. Todos têm a ganhar com mais essa plataforma de acesso ao rico mundo da leitura ”, finaliza Sergio.

(Fonte: Assessoria de imprensa)

 

Anterior Anatel aplica multa de R$ 51 milhões à Oi
Próximos Ancine atualiza lista de canais credenciados da TV paga