TIM vai transformar Live em provedor nacional de banda larga fixa “pelo ar”


Presidente da TIM Brasil (foto: divulgação)
Presidente da TIM Brasil (foto: divulgação)

A banda larga fixa vai chegar à casa do consumidor cada vez mais pelo ar, no que depender da TIM. O Live TIM, serviço de banda larga por fibra óptica da operadora, está sendo repensado para se tornar um provedor de acesso à internet banda larga em todo o país. Hoje, a empresa opera apenas em Rio de Janeiro e São Paulo. Para se expandir com rapidez, a decisão é investir em tecnologia WTTx, sigla que significa uso de conexão sem fio na ponta que chega ao consumidor, explorando o espectro de 700 MHz.

A decisão foi apresentada nesta quarta-feira, 19, por Stefano De Angelis, CEO da TIM Brasil. Segundo ele, o futuro da conectividade reside em soluções híbridas que misturam o fixo e o móvel. “A TIM vai alavancar sua rede de ultra banda larga para ganhar participação no mercado residencial. Haverá diferença entre a banda larga [por LTE] pessoal e a residencial”, avisou.

O CEO da TIM não detalhou cronograma para a expansão desta nova Live TIM. Mas destacou que vai atender as cidades onde o espectro de 700 MHz for liberado. O cronograma do governo de limpeza desta faixa se estende até 2018.

PUBLICIDADE

“Vai ser uma oportunidade muito grande para a TIM com a disponibilidade da frequência de 700 MHz. Nos vai permitir chegar rapidamente com banda larga em todo o país”, falou a jornalistas. A interiorização da oferta residencial deve ser o foco. “Especialmente nas pequenas cidades temos grandes oportunidades a explorar. Se tirarmos o Sudeste, Sul e Bahia, o restante do Brasil tem menos de 40% de penetração de banda larga, e quando tem, tem velocidade abaixo de 12 Mbps”, conclui De Angelis. Ele participa da Futurecom 2016, evento que acontece em São Paulo nesta semana, e reúne representantes do setor de telecomunicações.

De Angelis não detalhou as ofertas que o Live TIM terá, velocidades, quais as primeiras cidades que devem ser atendidas, nem se a conexão poderá ser já LTE-Advanced (LTE-A). O LTE-A usa mais de uma portadora (faixa de frequência) para entregar velocidades mais altas. Além dos 700 MHz, a TIM explora pedaços de espectro principalmente nas bandas de 2,5 GHz e 1,8 GHz. Enquanto no LTE a velocidade de conexão alcança os 100 Mbps, no LTE-A é possível chegar ao patamar de 1 Gbps.

O TIM, com sua Live, encerrou agosto com 319 mil assinantes, após crescer quase 55%, oferecendo, ainda, somente conexão por fibra. A segunda empresa que mais cresceu em termos relativos em um ano (41%) foi a Sky, que já vende banda larga fixa por LTE. Os dados são da Anatel.

Anterior Anatel ainda não concluiu anuência a novos conselheiros da Oi
Próximos “Falta cobertura no celular”, diz Quadros. E sinaliza necessidade de acordo com operadoras