Linux, tecnologia & negócios.


A fabricante finlandesa não diz com todas as letras o que o seu ingresso no campo do software livre poderá significar enquanto mudanças no seu modelo de negócios. “É tudo novidade”, generaliza o diretor de tecnologia da empresa, Jarmo Järvenpää. Mas, como ela não vai mudar de ramo (produção de terminais e equipamentos de infra-estrutura para sistemas …

A fabricante finlandesa não diz com todas as letras o que o seu ingresso no campo do software livre poderá significar enquanto mudanças no seu modelo de negócios. “É tudo novidade”, generaliza o diretor de tecnologia da empresa, Jarmo Järvenpää. Mas, como ela não vai mudar de ramo (produção de terminais e equipamentos de infra-estrutura para sistemas móveis), e tem os olhos postos no enorme potencial da indústria de entretenimento, Järvenpää, admite que a “popularização” do Linux no mundo internet teria sido uma das razões que levaram a Nokia a entrar na seara do código aberto.
Naturalmente, não é só isso, já que “popularização” também tem a ver com volume, ou escala. No caso, mais vendas de equipamentos e, até, eventualmente, por melhores preços, uma vez que software livre não tem custo de licenciamento, e pode contribuir para baratear o preço final dos produtos. Mas, não são desprezíveis os argumentos mencionados por Aldenor Martins, gerente de desenvolvimento de software do INdT-Recife, segundo os quais a opção por melhorar a multimídia em Linux se deve ao fato de que essa plataforma é a que suporta mais hardware do que qualquer outro sistema operacional, ao que se soma a sua facilidade de uso.
Voltando à atividade core da fabricante finlandesa, as demonstrações apresentadas hoje, 27, em Recife, foram feitas no Nokia 770, o primeiro tablet da família Maemo, distribuição construída pelo núcleo INdT de Recife sobre plataforma Debian. O 770, lançado em junho do ano passado, terá versão disponível no mercado brasileiro neste segundo semestre. Entre os desenvolvimentos realizados pelo INdT-Recife para Maemo, incluem-se jogos multiusuários, que podem ser baixados tanto em telefones móveis como em desktops. E TV digital no padrão DVB-H (handheld), móvel, com Linux – sistema em operação comercial nos Estados Unidos e Finlândia, entre outros países.
A jornalista viajou a convite do INdT

Anterior Telemar afirma que nada muda em sua proposta de reorganização
Próximos Fust: Presidência da República analisa o SCD. E Minicom defende banda larga com STFC.