“Limite de dados em franquia é bom para usuário”, defende técnico da Anatel


O superintendente de Competição da Anatel, Carlos Baigorri, não vê problemas com o anúncio feito este mês pela Telefônica Vivo, que acabou com os planos ilimitados, e passou a só comercializar pacotes com franquias de limites de dados em sua rede fixa de cobre (ADSL), já considerando também levar a mesma política para a rede de fibra óptica. Ao contrário, para ele, o fim dos supostos “planos ilimitados” é bom para o usuário.

Ele sustenta esta posição tendo como aliados três prêmios Nobel de economia: George Arthur Akerlof, Michael Spence e Joseph Stiglitz. Eles ganharam o prêmio em 2001 por destrincharem a informação assimétrica dos agentes regulados,  usando entre outros argumentos a teoria da “seleção adversa”.

Defende Baigorri: “não há um único consumidor com o mesmo perfil. Mas, conforme a  seleção adversa, muitas vezes se faz o preço pela média do perfil de consumo. Isso significa que há aqueles que consomem acima da média e os que consomem abaixo da média.  Ou seja, quem consome menos paga por quem consome mais”, afirma ele.

Por isso, entende ele, o estabelecimento de pacotes de preço pelo uso efetivo do consumo, acabando com a falsa noção do “ilimitado” permite que o consumidor pague exatamente pelo que ele gasta.

Nos novos planos da Telefônica Vivo, para as velocidades entre 200 Kbps a 25 Mbps, na rede ADSL em todo o estado de São Paulo, a franquia irá de 10 GB (planos de 200 Kbps a 1 Mbps) a 130 GB (para o de 25 Mbps).

A NET e a Oi informaram que também estabelecem limites de consumo de dados em seus pacotes de banda larga fixa.

Anterior TIM Brasil assume investimentos no país
Próximos Alta do dólar afeta em cheio os satélites, afirma Sindisat

15 Comments

  1. Vagner Ornelas
    16 de Fevereiro de 2016

    Incrível como a Anatel nunca vê problemas quando os usuários são prejudicados com limites, serviços ruins, cláusulas abusivas e tantas outras coisas. É claramente uma tentativa de frear os cancelamentos de VivoTV, frente ao uso do Netflix. O usuário fica limitado a uma franquia, rapidamente atingida por acessar Netflix, Spotify, Deezer, Youtube HD, etc e na velocidade reduzida fica inviabilizado de utilizar os serviços. O consumidor é lesado por todos os lados no Brasil.

  2. Leandro
    16 de Fevereiro de 2016

    Ridícula essa franquia de 10 GB pra uma banda larga fixa, desse jeito da margem pra começarem a perder pras operadoras 4G e acabar de enterrar o sistema fixo

  3. Dhaniel
    16 de Fevereiro de 2016

    Ele não vê problema, mas eu e o restante dos consumidores veem. Eu assinei um contrato X e não vou receber Y.
    E o pior de tudo, não existe flexibilidade de planos maiores. Por quê?
    Simplesmente porque essas empresas não investem na infra e vendem mais do que podem entregar.
    Igual os problemas de Youtube/Netflix dessa operada, a ANATEL se finge de morta.
    Agora para sair em defesa das operadoras, é mais do que depressa.

  4. Douglas
    16 de Fevereiro de 2016

    Os brasileiros deveriam solicitar do governo a extinção da Anatel e solicitar a criação de uma nova agência. A Anatel está sendo mais uma pedra no caminho do consumidor do que uma agência que realmente ajude. Quem precisa de inimigos, quando se tem a Anatel?

  5. Fernando
    16 de Fevereiro de 2016

    Anatel mais uma vez preocupada em defender operadoras.
    Franquia é uma vergonha, ninguém vai aceitar isso não.
    Não bastasse as conexões serem uma porcaria e nada mudar. Mais lentas que qualquer lugar decente no mundo e ainda querem capar mais ainda? Parem de dar dinheiro a essas operadoras, migrem, cancelem, baixem o ticket médio delas.

  6. 16 de Fevereiro de 2016

    Qual o baixo consumo hoje em dia? Hoje temos smartphones e tablets em casa, troca de e-mails, quase que o dia inteiro assistimos vídeos no youtube e netflix por exemplo, ouvimos músicas online, redes sociais recheadas de imagens e vídeos e por ai vai. Aonde está o baixo consumo?

    Esse cara é um burrinho.

  7. Weslley Alberto
    16 de Fevereiro de 2016

    Estranho esse movimento, mais é perfeitamente entendível. Pra que expandir a capacidade da rede se podemos lucrar mais e investir menos(quase nada do que se lucra)? Incrível como nós consumidores somos sempre prejudicados, quando o assunto é telecomunicações. Quando penso que a coisa vai melhorar/evoluir eu me surpreendo com uma noticia dessas. Empresas voltem a vender internet discada, porque assim consegue “servi” todos os clientes sem essa ideia esdruxula de por franquia em internet fixa. Evolução e brasil ,no que tange tecnologia e telecomunicações, são duas palavras que não cabem na mesma frase.

  8. Junior
    16 de Fevereiro de 2016

    (…..) não sabe nem o que está fazendo lá. O mundo demanda de cada vez mais banda (……). Até caminhão de carga ira utilizar internet para andar sozinho (…..). E vc ainda está na época em que a molecada usava P2P o dia todo pra baixar filmes e musicas. Acorda (…).

  9. Jan Palach
    17 de Fevereiro de 2016

    Estamos entre os piores serviços de telefonia do mundo graças a técnicos como este, que inclusive fazem a fama ruim da Anatel. Por mim um cara destes estaria na rua, já.

  10. 17 de Fevereiro de 2016

    O erro da argumento dele é que os serviços de internet tornaram-se um serviço de primeira necessidade, integrando os serviços de telecomunicações, como televisão, rádio e telefonia em uma única rede.

    Faz-se então necessária uma internet sempre presente e ininterrupta para poder utilizar atualmente desses três serviços supracitados.

    O preço dos dados adicionais são deveras exagerados em relação ao custo de uma franquia tradicional.

    No resumo das contas, quem pagava 50 reais, e possuía um pacote mais simples, vai pagar 40 reais, mas vai ter que controlar o seu uso para não passar acidentalmente. E quem pagava 70 reais vai ter que agora pagar 300 pelo mesmo consumo.

    A economia para quem usa menos não é proporcional ao aumento para quem usa mais.

    Acredito que a atual forma de cobrança, baseada em velocidade da transmissão, já é uma boa forma de controle do uso. Afinal, quem tem uma internet mais lenta já consome menos e quem tem uma internet mais veloz já consome mais.

  11. Joao Henrique
    17 de Fevereiro de 2016

    Se essa moda pegar msm eu cancelo e mudo para provedores locais, sei que teria no máximo 3 megas de velocidade mais serão limitados.

    So quero ver os rombos nas contas dos setores públicos kkkkk.Imagina a biblioteca das universidades etc ahahahahha.

  12. André Luiz
    18 de Fevereiro de 2016

    Parece que o objetivo é acabar com qualquer OTT. Inclusive, algo nesse sentido foi tema de declaração do presidente da Vivo há pouco tempo.
    As operadoras pararam no tempo e não acompanham as necessidades da sociedade (culpa, também, da Anatel que dorme nessa questão) e, dessa forma, pretendem forçar as pessoas a continuar utilizando produtos que são mais lucrativos para elas.
    O pior é que a Anatel possui Superintendentes que apoiam esses absurdos. Realmente, ela deixa a desejar…

  13. Muniz
    18 de Fevereiro de 2016

    Tem que haver urgente uma CPI na Anatel, pois suspeito que há corrupção lá (………..)isso é uma vergonha, Já basta ter a 3G e a 4G que é cara e que não funcionar agora vão piorar o fixa que já ruim e ficará pior. isso só muda se o povo for a rua e agir como vândalos mesmo contra essas empresa e a Anatel, (……………)

  14. Aldevany Hugo
    29 de Fevereiro de 2016

    Essa limitação não trás nada de bom para a população, pois uma rede se bem estruturada não precisa de impor limitação. O jogo aqui é manter todo o sistema fixo como está e cobrar mais por isso, num ciclo de ganhos infinitos para as teles já que não vão querer investir mais e ainda por cima, vão limitar o que já é limitado. A ANATEL não ajuda, pensa só nas operadoras, não pensa na população e o que se pode perceber aqui é que a agência reguladora, regula apenas para o lado das grandes operadoras de telefonia móvel e fixa e não de fato para quem precisa e que é o lado mais frágil disso tudo: o consumidor final.

  15. 6 de Março de 2016

    A ANATEL nunca está do lado ou pensa no Consumidor.
    A internet está aí pra levar conhecimento as pessoas e essa medida retrógrada irá prejudicar a todos.
    Imaginem as pessoas que fazem uso de EAD, como farão a partir daqui?
    Mais uma vez o lobby, a politicagem e algo mai$ venceram.