Liberação da outorga: provedor deve ter cuidado com as novas regras


certo-confirmado-selecionar-escolher-correto-indicar-mao

Grande parte dos pequenos provedores de acesso à internet ainda não tem domínio sobre os detalhes da resolução 680, da Anatel, que entrou em vigor no dia 6 de setembro, extinguindo a obrigatoriedade de licença para as empresas de serviços de telecomunicações com até cinco mil clientes que operem com radiação restrita (2,4 e 5,8 GHz) e meios confinados (fibra e cabo).

Os provedores, que agora podem funcionar mediante um simples credenciamento junto à Agência, precisam saber que, embora a outorga tenha sido dispensada, devem cumprir certos requisitos para atuar nessa modalidade. “Muitos estão encontrando dificuldades por falta de conhecimento das regras e do processo”, revela Plínio Augusto, gestor da SCM Engenharia.

A primeira barreira é o acesso ao sistema Mosaico, pelo qual se faz o credenciamento. Em geral, os ISPs não têm acesso direto a essa plataforma. “Normalmente, quem entra no sistema é uma consultoria, um parceiro técnico; não o provedor”, diz Augusto.

Por isso, para efetuar o credenciamento de sua empresa, o provedor deve primeiro solicitar esse acesso. Precisa preencher um formulário que pode ser baixado na página do Mosaico e levar o documento a um endereço da Anatel. Só depois de receber o código de acesso é que será possível realizar o cadastro.

Outra informação importante que muitos ISPs desconhecem é que, mesmo sem ter licença, a empresa precisa ter a Classificação Nacional de Atividade Econômica (Cnae), com o objeto social da empresa. “Esse número tem de estar no cartão do CNPJ da empresa. Caso contrário, o Mosaico não permite o credenciamento. O contador da empresa pode obter o Cnae, que deve constar também no contrato social, na inscrição estadual”, informa Augusto.

É fundamental que a empresa se certifique de que está dentro das regras, alerta Ana Paula Meira, diretora da SCM Engenharia: “Depois que o provedor se credencia, coloca seu CNPJ no sistema, imediatamente ele recebe um e-mail da Anatel dizendo que ele tem que cumprir todas as obrigações, com Funttel, Fistel, o Sistema de Coleta de Informações (Sici). Só que muito provedor nem sabe o que é o Sici. Portanto, primeiro é preciso se preparar”.

A questão do profissional credenciado pelo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) também está gerando confusão. “O credenciamento da Anatel não exige um profissional com Crea, mas o Confea, sim. E uma fiscalização do órgão tem poder de multar”, ressalta Ana Paula. Ela recomenda, ainda, prestar atenção às regras da 680 para participação em licitações públicas e utilização de postes. Os provedores não licenciados podem participar dessas licitações e podem utilizar estruturas de concessionárias desde que estas aceitem uma empresa não licenciada – o que não acontece na maior parte das vezes, segundo a consultora.

Descadastramento de estações

A adesão ao credenciamento, na avaliação de consultores do segmento, ainda é pequena. Na SCM Engenharia, os pedidos se restringem a empresas cujas outorgas estão demorando para sair e que desejam ter alguma regularização para funcionar. O maior movimento, na consultoria jurídica Silva Vitor, Fria & Ribeiro, tem sido para o descadastramento de estações – brecha aberta pela resolução 680.

O advogado Alan Silva Faria conta que as empresas autorizadas estão pedindo para descadastrar suas estações, como forma de reduzir a carga tributária – o que passou a ser perfeitamente legal, a partir da nova resolução da Anatel. O cálculo do Condecine, explica ele, é feito sobre o número de estações. “Assim, o provedor não terá mais o custo anual de licitação de estações”, esclarece Faria, lembrando que quem deseja descadastrar estações deve fazê-lo até o dia 31 de dezembro deste ano. “Caso contrário, vai receber um novo boleto, para pagamento até março de 2018”, acrescenta ele.

Texto publicado originalmente no site www.PontoISP.com.br

Anterior Provedores regionais reiteram pleito por numeração própria para banda larga
Próximos Telebras adia novamente leilão de satélite, para 17 de outubro

2 Comments

  1. 14 de setembro de 2017

    Gostaria de atentar pelos detalhes de termos mais tecnicamente corretos. Uma empresa pode ser “AUTORIZADA” a prestar o SCM, não “licenciada”. A licença se refere aas estacoes, que a 680 passou a isentar aquelas que usam WiFi e cabos (meios confinados).
    Na frase “Assim, o provedor não terá mais o custo anual de licitação de estações”, o correto eh “Assim, o provedor não terá mais o custo anual de licenca de estações”, que são as taxas TFF, CFRP e Condecine.

    • 14 de setembro de 2017

      Obrigado pela observação, Carlos.