Levantamento da Anatel ainda vê deficiências no Speedy


A liberação das vendas do Speedy não deve sair esta semana. Levantamento feito pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) aponta que as medidas adotadas pela Telefônica para estabilização dos serviços são insuficientes para solucionar os problemas apresentados. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, confirmou hoje que, diante das informações a que teve acesso, seria imprudente …

A liberação das vendas do Speedy não deve sair esta semana. Levantamento feito pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) aponta que as medidas adotadas pela Telefônica para estabilização dos serviços são insuficientes para solucionar os problemas apresentados. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, confirmou hoje que, diante das informações a que teve acesso, seria imprudente rever, neste momento, a suspensão da venda do serviço.

Segundo informações de uma fonte da agência, as correções que a Telefônica ainda precisa fazer dependem de investimentos e de mais equipamentos. O superintendente de Serviços Privados da Anatel, Jarbas Valente, responsável pelo levantamento, ainda não se pronunciou.

A suspensão da venda do Speedy ocorreu em 23 de junho, depois que o serviço  apresentou quatro falhas num período menor que 12 meses e de prejudicar a totalidade de seus 2,2 milhões de assinantes. Na semana seguinte à sanção aplicada pela Anatel, a Telefônica apresentou plano de estabilização do serviço e, no dia 17 de julho, anunciou o cumprimento das ações propostas, com investimento de R$ 16 milhões, e entregou à agência o pedido de revisão da medida cautelar.

Na semana passada, o ministro Hélio Costa havia defendido o fim da suspensão, disse que está reavaliando a sua posição por entender que precisa de mais participação da operadora na equação dos problemas.

Atendimento ao consumidor

O diretor do DPDC (Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor) do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita, disse hoje de manhã que a retirada da suspensão de venda do Speedy não deve levar em conta somente a capacidade técnica. “É preciso haver uma avaliação também da capacidade de atendimento da empresa ao consumidor”, afirmou.

O plano de estabilidade prevê medidas a serem implementadas em 30 dias, 90 dias e 180 dias. Na primeira etapa, que foi cumprida, a operadora fez a readequação da arquitetura do centro de serviço e duplicou a capacidade dos serviços DNS, que passaram a ter 100% de contingência (a empresa não informou de quanto era essa contingência anteriormente); ampliou em 20% a capacidade do backbone IP entre São Paulo e o interior do Estado; implementou melhorias de segurança do perímetro da rede; e ampliou a contingência da saída internacional, com ampliação da capacidade, que passou de 60 para 100 Gbps por saída (há duas saídas por meio de cabos submarinos).

Anterior Governo canadense é contra venda de ativos da Nortel à Ericsson
Próximos Lucro da Sybase cresce 24% no trimestre