Leilão de sobras: em São Paulo, disputa no lote C leva a ágios de até 3.280%


A Surf Telecom venceu o lote em São Paulo na banda C, 2.500 MHz, TDD, 35 MHz. Seu lance foi 30 vezes maior que o preço mínimo, da ordem de 1,1 milhão de reais. Também houve disputa acirrada nos outros grandes centros do estado, como Campinas, Guarulhos e Santos.

A oferta de lotes de frequência para exploração por serviços de comunicação multimídia no leilão realizado ontem, 17, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mostrou uma acirrada competição por parte de provedores regionais e empresas entrantes. Na capital, a competição foi maior. Mas provedores não hesitaram em multiplicar por dez suas propostas para garantir a aquisição.

A Surf Telecom (EUTV) venceu o lote em São Paulo na banda C, 2.500 MHz, TDD, 35 MHz. Seu lance foi 30 vezes maior, exatamente 3.280% mais alto, que o preço mínimo. A proposta foi de ordem de R$ 1,14 milhão. Venceu outros seis concorrentes. A empresa é uma MVNO de MVNOs (pretende vender capacidade para outros MVNO, chamadas credenciadas, e para revendedoras). Seu plano de negócios prevê lançar a rede no primeiro tri de 2016, mas já iniciou os testes da rede, usando infraestrutura da TIM. A empresa pretende transformar a licença SCM adquirida em SMP para ter maior flexibilidade no modelo de negócios, especialmente na área de dados, já que no seu acordo com a TIM paga por volume de tráfego. A tecnologia que vai usar é 4G, com serviço de voz sobre LTE.

A Algar, que deu 44 lances em todo o Brasil, a maioria em Minas Gerais, também buscou frequência no estado paulista. A operadora mineira comprou oito lotes em São Paulo. As cidades escolhidas foram Batatais, Ituverava, Morro Agudo, São Joaquim da Barra. Além dessas, tentou, mas não deu o lance mais alto, em Guaíra e Orlândia. Em todos os casos, buscou as frequências H e I, que são, respectivamente, 15 MHz e 35 MHz na faixa de 2.500 MHz.  Todas estas cidades ficam nas regiões mais próximas à fronteira com Minas Gerais. Os lances vencedores em São Paulo, a depender de confirmação da Anatel, somaram o total de R$ 99,5 mil.

Em Campinas, terceira cidade mais populosa do estado, foram colocados à venda dois lotes de 5 MHz na faixa de 1.900 MHz. A disputa foi acirrada, com ofertas de quatro empresas. Os lances mais altos foram feitos pela Arion Serviços de Telecomunicações, que pretende pagar R$ 155,8 mil  para usar a subfaixa entre 1.885 e 1.890 MHz. A segunda primeira colocada foi a Desktop Sigmanet, cujo lance para uso da subfaixa entre 1.890 e 1.895 MHz alcançou R$ 195 mil. O ágio na cidade chegou a 904%. A região, de DDD 19, já era tida como uma daquelas em que haveria maior disputa em função da baixa disponibilidade de espectro local.

Em Guarulhos, cidade com segunda maior população, a disputa elevou os preços em dez vezes pelo lote de frequência da faixa entre 2.570 e 2.585 MHz. O maior lance foi da Netwalk Telecomunicações, com proposta de R$ 289,88 mil. Nos lotes de frequência de 1.900 MHz, venceu a Arion, que ofereceu cerca R$ 142 mil em cada – quase oito vezes maior que o preço mínimo definido pela Anatel. Em Santos, onde estavam à venda dois lotes de frequência de 5 MHz TDD em 1.900 MHz, os lances também tiveram ágios generosos, de dez vezes o preço mínimo. A XP tecnologia deve levar ambos os lotes, pagando o total de R$ 316 mil.

Anterior Leilão da Anatel: AT&T disputa 30 bandas e leva só quatro
Próximos Leilão da Anatel arrecada R$ 852 milhões e mais de 300 empresas compram frequências

1 Comment

  1. 19 de dezembro de 2015

    Uma correção. Ninguém pode comprar as 4 bandas do lote C.
    Nas bandas F e G só pode ficar com uma delas.
    Portanto em Santos e região a XP fica com uma das bandas e a BCMG fica com a outra.

    Basilio R Perez
    BCMG