Leilão da Anatel arrecada R$ 852 milhões e mais de 300 empresas compram frequências


“O leilão superou as expectativas”. Com essa avaliação, o presidente da Anatel João Rezende, apresentou hoje,21, os números (quase) finais do leilão de faixas de 1.800 MHz, 2.500 MHz (em FDD e TDD) e 1.900 MHz em (TDD), realizado na semana passada. Com a venda dos lotes A e B (faixas de 1,8 GHz e 2,5 GHz em FDD) a agência arrecadou R$ 762,6 milhões. Com a venda do lote C (faixas em TDD municipais), foram arrecadados mais R$ 89,9 milhões – ágio médio de 99,4%.

lotes C vendidos por regiao
João Rezende avaliou que o ponto forte desse leilão foi justamente a venda do lote C, com oferta de espectro para cada município brasileiro,  que congregou 324 pequenos empreendededores em quase todo o Brasil (apenas no estado do Acre não  houve interessados). Foram vendidas frequências em 2,903 mil municípios, ou para 52,1% do território brasileiro.

No lote C (que só teve faixas em TDD), tecnologia que por enquanto só permite a oferta de banda larga fixa, o maior ágio foi ofertado para a cidade de Ourinhos, em São Paulo, 4.972% maior do que o preço mínimo estabelecido.

Os três maiores preços ofertados  no lote C foram para a capital de São Paulo e a região metropolitana, adquirido por EuTV Consultoria, com uma oferta 30 vezes maior do que o preço mínimo, por R$1,145 milhão. A segunda colocada fez uma oferta 28 vezes maior.  Em seguida, os maiores preços ofertados nestes lotes foram para duas cidades nordestinas – para Mossoró, no Rio Grande do Norte, com o preço de R$ 1,4 milhão pelo Sistema Oeste de Comunicação, e a cidade pernambucana de Goiana, com oferta de R$ 1 milhão feita pela Click.Com Telecom.

Interesse por estado

lotes tipo C por estado

O estado de Sergipe foi o que teve o maior número de lotes comprados em relação ao que foi ofertado- 47,5% do total. Em seguida vem o Rio de Janeiro, com 45,5% dos lotes colocados à venda comprados e o Rio Grande do Sul, com 42,54% . Alagoas foi o estado com o menor número de lotes vendidos, apenas 21 ou 5,3% do total ofertado, de 392 lotes.

Neste tipo de lote, o menor lance foi de R$ 1,5 mil e o valor médio dos lances foi de R$ 16,4 mil. Na média, cada empresa comprou 17 lotes e investiu R$ 277,5 mil.

A Anatel ainda não pode declarar em definitivo os vencedores, porque ainda analisa a documentação, mas Rezende espera que até o dia 15 de fevereiro consiga assinar os novos contratos com todas as empresas.[

Ele assinalou que a agência não dará um novo prazo para a realização de outros leilões, até porque precisa acompanhar melhor esse novo mercado que se abre, onde centenas de empresas terão 18 meses para iniciar a prestação do serviço, depois que assinarem os contratos, com modelos de negócios distintos. “Não vamos estipular um prazo pra o novo leilão”, afirmou.

Lotes A e B

A venda desses lotes foi conhecida no próprio dia 17, quinta-feira passada, e as empresas Nextel, Vivo, Claro, TIM e Sercomtel compraram os seus quinhões, acompanhadas por três pequenas empresas, que também compraram espectro para a telefonia celular, muito mais caro. As três pequenas foram TPA Telecomunicações, Ligue Telecomunicações, Clivo Participações. No total, a agência arrecadou com esses lotes, R$ 762,6 milhões

A expectativa da Anatel é, nesse caso, arrecadar a vista esses recursos, já que os juros são maiores e o prazo de pagamento menor do que as condições para o lote C.

No total, Nextel pagou R$ 455 milhões Vivo, R$ 185,4 milhões, Claro R$ 61,85 milhões, TIM R$ 56,5 milhões, TPA R$ 2,455 milhões, Ligue, R$ 1,045 milhões, Sercomtel, R$R 241 mil e Clivo, R$ 120 mil.

As empresas que já atuam no mercado e estiveram  ausentes do edital foram a Oi e a Algar. (A Algar preferiu comprar faixas em TDD, no lote C). A Sky, de TV paga, comprada pela AT&T, também teve uma participação muito pequena.

 

 

 

Anterior Leilão de sobras: em São Paulo, disputa no lote C leva a ágios de até 3.280%
Próximos Especial: As expectativas do setor para 2016

1 Comment

  1. Luiz Shiroma
    22 de dezembro de 2015

    Ourinhos fica em São Paulo, divisa com o Paraná.