Lava Jato volta a investigar se houve irregularidade em contratos de teles com a Gamecorp


Gamecorp é empresa que tem como sócio o filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Força-tarefa diz haver indícios de pagamentos por trabalhos não executados, feitos pela Oi. Analisa também documentos relacionados ao fornecimento da Nuvem de Livros para a Telefônica.

A Polícia Federal, o Ministério Público Federal do Paraná e a Receita Federal retomaram investigação sobre os negócios fechados entre as operadora Oi, Telemar Norte Leste (hoje parte do grupo Oi), e as empresas Gamecorp, controlada por Fabio Luis Lula da Silva, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Sila, e Gol, do empresário Ariano Suassuna, sócio de Fabio Luis em outras duas empresas.

Segundo as autoridades, o que se realizou hoje foi a 69ª nova fase da operação Lava Jato, com resgate do inquérito de 2016, quando ocorreu a 24ª fase da operação. Na ocasião, o presidente Lula foi alvo de condução coercitiva. A investigação tinha objetivo de esclarecer a posse de um sítio localizado na cidade de Atibaia (SP), bem como o financiamento de reformas ali realizadas.

Nesta fase, a força-tarefa afirma haver indícios de irregularidades na aprovação de regulamento da Anatel (Plano Geral de Outorgas) que, juntamente com decreto publicado pelo Executivo, autorizou a fusão entre Oi e Brasil Telecom em 2008.

Dizem que, a partir da aprovação do regulamento, a anuência prévia dada pela agência à operação foi aprovada a toque de caixa, após articulação que teria envolvido José Zunga, então integrante do conselho consultivo da agência, e a conselheira Emília Ribeiro. Afirmam, ainda, que os contratos firmados entre Oi, Gamecorp e Gol previam a execução de trabalhos não realizados. Os pagamentos chegariam a R$ 132 milhões e aconteceram entre 2005 e 2016.

Em nota enviada ao Tele.Síntese, a operadora diz que vem colaborando com as investigações e age com transparência. “A Oi informa que atua de forma transparente e tem prestado todas as informações e esclarecimentos que vêm sendo solicitados pelas autoridades, assegurando total e plena colaboração com as autoridades competentes”.

Com menos detalhes, a equipe afirma que também encontrou irregularidades na contratação da Nuvem de Livros, serviço oferecido pela Gol de acesso a uma biblioteca virtual, pela Telefônica Vivo e a Movile Internet Móvel. Para a operação de hoje acontecer foram emitidos 47 mandados de busca e apreensão. Os representantes da força-tarefa não informaram quais pessoas e empresas foram alvo.

Em nota, a Telefônica informa que também colabora com as investigações. “A Telefônica informa que a Polícia Federal está hoje em sua sede, em São Paulo, buscando informações a respeito de contratos específicos de prestação de serviços realizados. A empresa está fornecendo todas as informações solicitadas e continuará contribuindo com as autoridades. A Telefônica reitera seu compromisso com elevados padrões éticos de conduta em toda sua gestão e procedimentos”.

Mercado financeiro

As ações de todas as operadoras de telecomunicações operam em queda desde a manhã. As ações ordinárias da Oi caíam 2,15%, enquanto as preferências, 1,61%. Já os papéis ordinários de Vivo tinham baixa de 1,45%, e os preferenciais de 0,88%. Também a TIM, que não foi citada em momento algum, caía 1,25%. A exceção era a Telebras, cujas ações saltavam 6,13%. O índice Ibovespa também apresentava baixa, de 0,13% nesta manhã.

Anterior Indústria de componentes ameaça judicializar a nova Lei de Informática
Próximos Planalto cria comitê de governança digital visando alinhar ações de TI