Justiça lança Painel Multissetorial contra notícias falsas


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Dias Toffoli, lançou, nesta terça-feira, 11, o Painel Multissetorial de Checagem de Informações e Combate a Notícias Falsas. “O enfrentamento às notícias falsas é tarefa de todos. Embora a ênfase inicial seja sobre as notícias falsas produzidas sobre o Poder Judiciário, o projeto é o ponto de partida para uma mobilização social ampla”, declarou o ministro.

A iniciativa reúne órgãos da cúpula do Poder Judiciário brasileiro, associações de magistrados e representantes da imprensa brasileira e da sociedade civil organizada, portais jurídicos e portais verificadores de notícias. As checagens do Painel serão iniciadas em relação aos conteúdos e atos do CNJ, STF, Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Conselho da Justiça Federal (CJF), ampliando, posteriormente para outros tribunais.

Segundo Toffoli, a mobilização teve início com a campanha #FakeNewsNão, capitaneada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com tribunais superiores e entidades representativas da magistratura.

Parceiros

Aderiram ao painel o site JusBrasil, a Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel), a Associação do Magistrados Brasileiros (AMB), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) se manifestaram durante o lançamento do painel.“É de vital importância para a credibilidade da Justiça a prevalência da verdade.  Não podemos colorar os fatos. A falta de compromisso com a verdade já levou o mundo a sérios conflitos”, comentou o presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha ao citar a Primeira Guerra Mundial e o conflito dos Estados Unidos com o Iraque como exemplos de guerras fundadas em mentiras.

São parceiros também do Painel Multissetorial a Justiça Federal; o Tribunal Superior Eleitoral (TSE); o  Tribunal Superior do Trabalho (TST); o Superior Tribunal Militar (STM); a Defensoria Pública da União (DPU); a Advocacia-Geral da União (AGU); a Associação dos Juízes Federais do Brasil (AJUFE); a Associação Nacional dos Magistrados (Anamatra); a Associação Brasileira de Imprensa (ABI); a Associação Nacional dos Jornais (ANJ); a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert);  Aos Fatos; Boatos.Org; Conjur; Jota; Migalhas; UOL-Confere; e Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Anterior Amazon no topo da marca mais valiosa do mundo
Próximos Vendas no setor de informática e comunicação despencam 8% em abril

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *