IPTV: BrT levará fibra ao usuário residencial.


Semana que vem, uma boa nova para os fornecedores de FTTH (fibra na casa do usuário): a Brasil Telecom lança no mercado um pedido de informações (RFI – request for information) para GPON – rede óptica passiva Gigabit Ethernet, que têm velocidades de até 2,5 Gbps para downstream, e 1,25 Gbps para upstream. “Até agora, …

Semana que vem, uma boa nova para os fornecedores de FTTH (fibra na casa do usuário): a Brasil Telecom lança no mercado um pedido de informações (RFI – request for information) para GPON – rede óptica passiva Gigabit Ethernet, que têm velocidades de até 2,5 Gbps para downstream, e 1,25 Gbps para upstream.

“Até agora, só tínhamos testado GPON em laboratório. Nunca fomos a campo porque a tecnologia não tinha viabilidade econômico-financeira e a demanda por banda de nossos clientes podia ser atendida por ADSL, que chega a até 26 Mbps”, informa ao Tele.Síntese Marcelo Frasson, diretor de planejamento de infra-estrutura tecnológica da operadora.

A BrT já leva fibra até a casa do usuário, um privilégio largamente conhecido só pelo cliente corporativo. Agora, porém, com a estréia da IPTV da operadora, chega a vez do residencial necessitar de mais banda. Se ele tem um único ponto em casa, o ADSL 2+ resolve, desde que a uma distância de 300 a 400 metros da central. Porém, mais longe e com maior número de pontos na residência, nem esse equipamento resolve.

Somando esses elementos técnicos ao potencial aumento de uma demanda que não pode ser atendida pela rede de cobre, e à queda dos preços da fibra, diz Frasson, chegou a hora de ir ao mercado para ver se a evolução da tecnologia e os seus custos são compatíveis – “ao menos para atender alguns nichos do mercado residencial, por exemplo, moradores do Lago Sul de Brasília”, observa o executivo.

Se a relação custo-benefício se mostrar adequada, a GPON terá destinação de recursos no orçamento 2007 da BrT, em fase de elaboração. “O marketing faz uma estimativa da receita que podemos obter, vemos quanto o mercado está disposto a pagar pelo serviço, e cotejamos com os preços dos fornecedores. Lançado o RFI na semana que vem, os fornecedores mandam suas propostas em 20 a 30 dias, a operadora as analisa por outros 15, e decide pela alocação de recursos para o próximo exercício.

Boas notícias para Alcatel, Corning, Furukawa, Huawei, NEC, Siemens e ZTE – entre outros fornecedores.

Anterior Só a tecnologia não salva vidas
Próximos Pela primeira vez desde 99, mercado formal de PCs supera ilegal.