IoT pode levar Qualcomm a comprar NXP


qualcommNenhuma das empresas confirma as negociações, que estariam em estágio preliminar, mas o negócio, na avaliação de analistas, atenderia a dois movimentos. A eventual compra da fabricante alemã de chips NXP pela Qualcomm aceleraria o processo de diversificação da empresa norte-americana, hoje muito dependente do mercado de smartphones que já não tem mais ritmo de expansão acelerado. Os produtos da NXP têm forte presença no mercado automotivo, um dos segmentos onde a Internet das Coisas (ioT) deve prosperar.

De outro lado, há uma tendência de consolidação no mercado de circuitos integrados, em função da expectativa de crescimento do mercado de IoT. Entre os negócios registrados, a Avago comprou a Broadcom por US$ 37 bilhões; a Intel, a Altera, por US$ 17 bilhões; a Qualcomm adquiriu a CSR, fabricante inglesa de processadores para comunicação sem fio, for US$ 2,4 bilhões. Em janeiro deste ano, a Qualcomm anunciou a criação de uma joint venture no valor de US$ 3 bilhões com a japonesa TDK, produtora de componentes eletrônicos. A nova empresa, RF360 Holdings, vai fabricar chips de radiofrequência para dispositivos móveis, aparelhos conectados à internet das coisas, drones, robôs e “outros mercados”, segundo comunicado.

Mercado automotivo

Já a NXP vem se posicionado como fornecedora de chips para o mercado automotivo, em rápida transformação com a emergência dos carros conectados e dos veículos elétricos autônomos. No final de 2015, ela completou a aquisição da Freescale por US$ 12 bilhões, ampliando seu foco no segmento de chips para a indústria automobilítica e integrando ao grupo receitas de mais US$ 10 bilhões. Ao mesmo tempo vendeu sua unidade de RF para a chinesa Jianguang por US$ 1,8 bilhão e a unidade de Produtos Standards para a mesma empresa e a Wise Road Capital, um grupo de equity, por US$ 2,75 bilhão. (Com noticiário internacional)

Anterior Anatel quer incluir benefício social em preço de leilão de espectro
Próximos Morgan Stanley tem 4,6% de ações preferenciais da Oi