Investimento em rede na renovação de licença de espectro, defende TIM


O vice-presidente de Regulação da TIM, Mario Girasole, afirmou hoje, 31, durante a conferência de resultados do 2T19 com os analistas, que confia na aprovação do PLC 79 para a solução definitiva à renovação das licenças de espectro das operadoras de celular que começam a vencer no final do próximo ano.

O projeto, de reforma da lei de telecomunicações, permite que as outorgas de frequências possam ser renovadas pela Anatel sem licitação, o que atualmente é proibido pela Lei Geral de Telecomunicações (LGT).

Segundo o executivo, a expectativa da TIM é que o pagamento para a renovação dessas licenças se dê em forma de investimentos na rede de telecomunicações. ” Não deveria ser cash out, mas sim destinar os recursos para as áreas de menor cobertura”, defendeu ele.

Para Girasole, o preço pela renovação deveria utilizar a mesma metodologia adotada hoje. As operadoras pagam 1% ao ano de suas receitas líquidas pela ocupação do espectro o que para o executivo deveria se manter.

Anterior Redução de devedores é a meta do próximo semestre da operadora
Próximos MCTIC passa a exigir relatórios eletrônicos de investimentos em P&D