Internet brasileira sofre agora o efeito do furacão Maria


Os dois furacões que atingiram as ilhas do Caribe atrasaram o serviço de manutenção de cabos submarinos como o Telecom Italia Sparkle, prejudicando a conexão com o Brasil.

backbone-caribe-sparkle-timProvedores regionais de internet estão registrando quedas significativas na velocidade de suas redes nos últimos dias., em suas conexões com o exterior. E esses problemas estão vinculados, ainda, ao furacão Maria, que destruiu inúmeras ilhas do Caribe, principalmente Porto Rico e Saint Croix, rota da maioria dos cabos submarinos internacionais que se conectam com a América do Sul.

Por quê essa lentidão só começou agora, vários dias depois da passagem do furacão Irma, na primeira semana de setembro, e agora o Maria, que se formou no início desta semana, é uma das questões que intrigam as operadoras brasileiras. Na opinião de alguns analistas, isso deve a fato de que, embora os cabos submarinos estejam projetados para enfrentar qualquer tipo de vento e para funcionar automaticamente, precisam da intervenção humana nos Pops e nas land stations.

“O problema é que essas ilhas foram evacuadas e, em muitos lugares, a mão de obra ainda não conseguiu retornar, deixando os sistemas sem manutenção mais tempos do que o previsto”, assinala um consultor.

Uma das redes mais afetadas, porque um de seus Pops está justamente na ilha de Saint Croix, que foi devastada pelos dois furacões – o Irma e agora o Maria -, é a da Telecom Italia Sparkle, que dá uma paradinha em Fortaleza, mas tem seu Pop no Rio de Janeiro.

Conforme o analista de telecomunicações, Uesley Correa, estima-se em 60% a 70% de perda de pacotes de quem sai do Rio de Janeiro pela rede da Sparkle.  A empresa confirma que precisou tomar medidas devido ao furacão Maria.

” O furacão Maria, de categoria 5, impactou Porto Rico causando severos danos e enchentes na ilha. Tivemos que ‘desenergizar’ nosso nó na estação para evitar danos mais sérios aos equipamentos. Essa situação provocou a saturação de nosso tráfego IP que afeta nossa rota internacional em direção ao Brasil”, informou a empresa. Também a Highwinds, que revende capacidade do Sparkle, confirmou o problema.

Anterior Arris lança conversores de TV paga com sistema Android
Próximos TIM começa a liberar uso de VoLTE em São Paulo e Rio de Janeiro

7 Comments

  1. Magda
    22 de setembro de 2017

    Ahh, olha a desculpa mais esfarrapada para justificar a internet lixo aqui do Brasil. É tem muita influência…….aff.

    • Julliana
      22 de setembro de 2017

      não é desculpa, se você não sabe, os cabos passa por lá, estude mais Geografia e Tecnologia, talvez a gente conversa

    • Ana
      23 de setembro de 2017

      Boa resposta

  2. NerdZin
    22 de setembro de 2017

    Prezada Magda,

    A internet no Brasil não é das melhores, mas evoluímos muito nos últimos anos, principalmente após a privatização do setor. Hoje temos sim internet de qualidade, porém se paga por isso e não é barato, assim como quase tudo no nosso país. A velocidade é afetada devido à necessidade da conexão utilizar rotas alternativas para chegar aos servidores, cujos em sua maioria ficam nos EUA, isto prejudica bastante a velocidade.

    Abraços

  3. Curioso
    22 de setembro de 2017

    Quem é essa mulher chamado Maria onde passa leva tudo

  4. Plinio
    22 de setembro de 2017

    Antes do furacão já funcionava mal .Não vejo diferença nenhuma Cai nos horários de pico Consigo acessar melhor cedo quando pouca gente no trabalho

  5. Antonio
    23 de setembro de 2017

    A internet fica lenta e ruim mas o preço não diminui e aí se ela diminui o preço também tem que diminuir !isso sim é justo