Intel defende banda larga pré-paga


A Intel defendeu o modelo pré-pago para aumentar a penetração de banda larga no país e complementar o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), que visa universalizar o acesso à internet rápida no Brasil. “Temos que estabelecer um plano nacional, abrangente e que considere múltiplas soluções para diminuir o custo total de se ter uma conexão banda larga em casa”, disse Fabio Tagnin, diretor de expansão de mercado da Intel Brasil durante o Intel Editor’s Day, na Bahia, segundo comunicado da companhia.

 
Para o executivo, a adoção do modelo de conexão pré-paga – que já reponde por 80% dos acessos móveis – pelos provedores de banda larga fixa poderia alavancar rapidamente a penetração do serviço nas classes C e D, acostumada com o modelo de acesso pré-pago pelo celular. “O conceito é familiar, o consumidor sabe que estará no controle do orçamento” explica Tagnin. “O que eles desejam é um modelo onde eles possam pagar por dia de acesso, muito similar ao que a maioria já faz com as LAN houses. Com esse nível de controle do orçamento destinado à internet, a conexão banda larga em casa torna-se uma realidade tangível muito rapidamente. É uma opção que complementaria o atual PNBL, dando maior liberdade para o consumidor.”

 
Segundo o comunicado da Intel, a banda larga pré-paga já é usada na Indonésia, Tailândia, Turquia e Índia, onde as teles que aderiram ao modelo registraram um aumento de 30% na receita, no último caso.

 
De acordo com notícias, a compania norte-americana, maior fabricante de chips processadores para PCs, espera triplicar as vendas de computadores no Brasil até 2015 e prepara um projeto para facilitar o parcelamento da compra de PCs e modems com operadoras, fabricantes e varejistas. (Da redação, com assessoria e agências)

Anterior Vivendi quer transferir processo da Telefônica para Curitiba
Próximos Atos registra receita de € 2,09 bilhões no 3º tri