Infobrás provoca mudança na licitação do Gesac


Embora o governo Lula ainda não tenha claro como será desenvolvido o Plano Nacional de Banda Larga e se ele será apoiado ou não em uma empresa estatal, esta possibilidade já afetou a licitação do Gesac, do Ministério das Comunicações, conforme publicou a newsletter Tele.Síntese Análise. O edital, para a contratação de 20 mil pontos …

Embora o governo Lula ainda não tenha claro como será desenvolvido o Plano Nacional de Banda Larga e se ele será apoiado ou não em uma empresa estatal, esta possibilidade já afetou a licitação do Gesac, do Ministério das Comunicações, conforme publicou a newsletter Tele.Síntese Análise. O edital, para a contratação de 20 mil pontos de acesso banda larga vai sair, este ano, apenas com 12 mil pontos, a serem cobertos por conexões via satélite. Os demais 8 mil pontos, que seriam atendidos por conexões terrestres em qualquer tecnologia, serão licitados só no próximo ano.

O desmembramento, segundo fontes do governo, foi solicitado pelo grupo de trabalho que discute a política nacional de banda larga e a criação de uma empresa estatal para prestar o serviço. Isso porque, pela proposta do Ministério das Comunicações, a licitação cobriria um prazo de cinco anos, considerado muito longo frente ao que pode ser uma nova realidade. Assim, segundo a mesma fonte, a licitação desses 8 mil pontos cobrirá um período de apenas 12 meses, ao final do quais as escolas e os demais pontos públicos passarão a ser atendidos ou pela infovia pública ou por quem for prover a última milha, de acordo com a política que vier a ser definida.

“É verdade que a criação da infovia pública interferiu na licitação do Gesac, porque estamos discutindo uma política global. Mas essa mudança não significa, ainda, que uma decisão tenha sido adotada”, relata outra fonte.

Anterior Brasil deve fechar o ano com 118,5 milhões de celulares
Próximos Dígitro lança PABX para condomínios empresariais