Indústria móvel representará 5,2% do no PIB da América Latina em 2022


A GSMA, associação mundial das operadoras móveis, divulgou durante o MWC19 novas projeções para o crescimento do mercado celular na América Latina até 2022. A expectativa é que aumente o peso das operadoras no PIB da região até lá, passando de 5% do PIB para 5,2%.

Em termos absolutos, significa um aumento de US$ 50 bilhões à economia local. Em 2017, as operadoras ajudaram o mercado da região a movimentar US$ 280 bilhões. Em 2022, serão US$ 330 bilhões.

Até 2025

O mercado regional de telefonia móvel vai se expandir em praticamente todas as frentes. A penetração da internet móvel, hoje na casa de 50%, atingirá 65,1% até 2025. Já usuários de celular, inclusive sem acesso à internet, vão saltar de 67% da população para 74% – ou seja, passaremos de 436 milhões de usuários únicos para 517 milhões de usuários únicos em 2025.

As vendas de smartphones vão continuar a crescer ano a ano, embora em ritmo mais lento. Enquanto em 2017 62% das pessoas usavam um celular inteligente na América Latina, em 2025 calcula-se que serão 78%.

A América Latina vai continuar a ter mais de um celular ativo por usuário. Conforme a entidade, a penetração passará dos atuais 104% para 111%, expansão CAGR de 2%. Ao fim de 2025 espera-se 775 milhões de conexões móveis na região. E até 2025, o 5G representará 8% dos acessos.

Para as operadoras, no entanto, o aumento de receita será incremental. Em 2017 elas faturaram US$ 74,2 bilhões. Em 2025, prevê-se que vão faturar US$ 82,6 bilhões.

Os dados fazem parte do relatório Economia Móvel na América Latina e Caribe 2018, que pode ser lido na íntegra aqui.

Anterior OneWeb dá início a lançamentos em série de satélites
Próximos Pharol registra prejuízo, mas crê em virada com evolução da RJ da Oi