Indústria de infraestrutura quer participar do PNBL


A indústria de infraestrutura está interessada em participar no esforço do governo em massificar o acesso à internet em banda larga, que considera fundamental para o desenvolvimento do país. Esse foi o principal tema da conversa realizada nesta quarta-feira (26) entre o presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB), Paulo Godoy, e o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Segundo Godoy, o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) pode ser expandido com a utilização dos meios físicos já instalados das indústrias do setor.

O presidente da entidade disse que os desafios na área de telecomunicações para os próximos anos são significativos. Além da massificação da banda larga, o setor de telecomunicações brasileiro precisa se preparar para a realização da Copa do Mundo, em 2014, e dos Jogos Olímpicos, em 2016. “Só para atender a demanda desses dois eventos os investimentos necessários em rede estão na ordem de R$ 100 bilhões”, disse.

Godoy acrescentou a necessidade de construção de novo cabo submarino ligando o Brasil aos Estados Unidos, que depende de aplicação de US$ 500 milhões. “Todo esse esforço não pode ser suportado apenas com recursos do orçamento público”, disse. Ele acredita que o mercado brasileiro tem condições de financiar essa expansão necessária dos serviços de telecomunicações.

Ao sair do encontro, o presidente da ABDIB disse que se comprometeu com o ministro a juntar as empresas interessadas em participar desse esforço e montar um projeto como contribuição para que os investimentos necessários sejam concretizados o mais rápido possível. “Nós vamos contribuir com o ministro para montar, do ponto de vista privado, as regras, incentivos e motivação para que as empresas decidam participar desse plano”, disse

PLC

Uma das sugestões apresentadas ao ministro Paulo Bernardo por Paulo Godoy foi a utilização das linhas de distribuição de energia para levar a banda larga às populações mais carentes. Ele disse que ainda não há um projeto nesse sentido, mas acredita que essa possibilidade pode potencializar o PNBL.

O uso das linhas de transmissão de energia para levar a banda larga, por meio da tecnologia Power Line Communication (PLC) já foi regulamentado pela Anatel e pela Aneel. Porém ainda não foi utilizado em larga escala, em função de dificuldades operacionais embutidas nas regras aprovadas. A principal delas é a obrigatoriedade de usar os recursos apurados com o novo serviço para redução da tarifa de energia elétrica.

Anterior Por decisão da Anatel ou do Senado, Oi vai de qualquer jeito para o mercado de TV a cabo.
Próximos Anatel marca novas audiências públicas