Indra coloca 3 mil profissionais de BPO em home office


A Indra colocou em prática nesta semana uma iniciativa inédita dentro da companhia em razão do novo coronavírus: conviver com 70% da força de trabalho de Business Process Outsourcing (BPO) em home office. A linha de negócio, que atualmente conta com mais de 4 mil profissionais em diferentes partes do país, tem 3 mil deles trabalhando em casa desde o dia 1º de abril.

Segundo a empresa de consultoria e tecnologia, a mudança era vista como “impossível” antes da chegada da Covid-19 – principalmente pela quantidade de profissionais envolvidos e seus diferentes níveis de familiaridade com a tecnologia. E porque, até então, nunca ninguém havia testado como os serviços dessa área poderiam se comportar fora dos escritórios.

PUBLICIDADE

“Com a chegada da Covid-19, começamos a pensar na melhor alternativa para evitar o risco de contágio para esses profissionais. Tivemos três semanas de trabalho ininterrupto para fazer isso funcionar da melhor maneira possível”, explica Israel Garcia Hernandez, Head de BPO Operations da Indra no Brasil. A companhia disponibilizou às equipes insumos para prevenção do coronavírus, equipamentos e acesso à internet para que os profissionais possam exercer suas funções.

“Testamos diferentes soluções que suportassem as tarefas e contamos com a integração entre diferentes áreas para colocá-la em prática de forma rápida e eficaz, sem prejuízos aos clientes. Os primeiros dias não foram fáceis, mas depois de poucas semanas conseguimos ajustar tudo e chegar a uma boa solução”, completa o executivo.

Novas propostas

A Indra atende as empresas do setor aéreo, elétrico, serviços financeiros e telecomunicações. De acordo com a companhia, o novo estilo de trabalho deu tão certo que, hoje, novas propostas para o serviço já são desenvolvidas considerando o home office dos profissionais.

(Com assessoria de imprensa)

Anterior Anatel estuda refarming das bandas A e B na renovação das licenças
Próximos Anatel confere direitos de exploração de mais satélites estrangeiros