“Indenização de bem, só se for necessário para o serviço”, afirma presidente da Anatel


As operadoras estão comprando equipamentos que terão vida mais longa do que as concessões de telefonia fixa, e por isso já apresentam as contas para a União de uma possível amortização. Para Leonardo de Morais, a conta não é tão simples.

A União terá que indenizar as concessionárias de telefonia fixa por investimentos não amortizados feitos durante o prazo da concessão, que termina em 2025? As empresas entendem que sim, conforme explicita a própria Lei Geral de Telecomunicações.

O presidente da Anatel, Leonardo de Morais, também entende que sim, pois caso contrário seria, no seu entender, uma “expropriação” de patrimônio privado. Mas o debate que já se iniciou, e que ainda não tem data para acabar, é conseguir definir o que deverá ser  mesmo indenizado.

Esse debate já foi antecipado na Anatel porque a própria legislação setorial estabelece que as empresas precisam pedir a aprovação prévia da agência para fazerem investimentos que terão vida mais longa do que a própria concessão.

E o prazo está-se estreitando. Tanto que, a primeira da lista de pedidos a abrir esse tema foi a Oi, pleito que está sob a vista do conselheiro Vicente Aquino. A concessionária pediu a autorização da Anatel para gastar R$ 1,2 bilhão em redes de telecomunicações dos quais, segundo seus cálculos, R$ 408,6 milhões não serão amortizados até o final da concessão. Isso significa, entende a empresa, que terá que ser indenizada pela União, quando a concessão acabar.

Para o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, no entanto, não basta pedir a autorização, fazer as contas e achar que haverá  indenização sobre o investimento realizado. E explica: O contrato de concessão se encerra em 2025 e as concessionárias poderão ter direito a uma indenização. Para isso, no entanto, existem duas condições:

  • Deve haver a autorização da Anatel para esse investimento. E a segunda condição é que o bem seja efetivamente necessário à continuidade da prestação do STFC.  A primeira condição é necessária, mas não suficiente, afirmou.

Ou, seja, explica. Ainda que uma empresa tenha apresentado o pleito para investir, ter recebido a autorização da Anatel e em 2025 o bem ainda não ter sido integralmente amortizado, se esse bem não for mais necessário para garantir a continuidade da exploração do serviço, “não há nada a ser amortizado”, afirmou.

Morais não diz, mas junto com essa visão está a convicção daqueles que acreditam que, em 2025, não haverá  o próprio serviço de telefonia fixa, e, por isso, nada haveria a ser pago pela União para as operadoras.

Com uma compreensão bastante distinta a do ex-presidente da Anatel, Juarez Quadros, Morais entende, por exemplo, que diferentemente de outros setores econômicos, nas telecomunicações, foi dada a concessão para a exploração do serviço, e não do bem em si.

“Em 97, não se fez a privatização de bem, mas a desestatização de participação acionária da União de 19% das ações de controle”, afirma ele, para completar: “o setor de telecomunicações não pode ser concebido como os outros setores de serviço público”.

A aprovação do PLC 79 iria antecipar essa questão, mas com a sua demora de aprovação, a Anatel já começa a ter que estudar a fundo essa questão, estudo esse que não deverá estar concluído, no entanto, antes de 2022.

 

 

 

 

 

Anterior Globo coloca CDN dentro do data center da Angola Cables, em Fortaleza
Próximos Dinheiro das teles para EBC vai para o tesouro