Indenização ao MMDS é desafio do edital de 2,5 GHz


O edital de licitação da faixa de 2,5 GHz não pode se furtar de apontar qual será o valor da indenização para os operadores de MMDS a ser pago pelos compradores das licenças, defendeu hoje o consultor e ex-dirigente da Anatel, José Leite Pereira Filho.

Segundo ele, se a agência  estabelecer este valor no edital, ela pacifica o mercado, visto que o regulamento do serviço prevê o ressarcimento a esses operadores pelo fato deles terem sido obrigados a deixarem a faixa antes destinada para a TV paga,  para a banda larga móvel.

Outro desafio, apontou Leite, é a definição do preço das licenças de MMDS, que tiveram prorrogadas as suas faixas, mas ainda não sabem quanto vão pagar por poderem prestar os serviços de banda larga móvel e fixa. “A Anatel afirma que o preço será calculao pelo VPL (valor do negócio), o que não parece ser o que expressa regulamentos anteriores”, completou.

Anterior Operadoras divergem sobre leilão da faixa de 2,5 GHz, mas lutam unidas pelo dividendo digital.
Próximos UE declara como ilegal acordo de não competição entre PT e Telefónica