A inclusão do Ginga nos televisores somente será exigida a partir de 1º de janeiro de 2013 e vale para 75% dos aparelhos produzidos, de acordo com a portaria interministerial publicada na edição desta sexta-feira (24) do Diário Oficial da União. Pelo texto, que modifica o Processo Produtivo Básico (PPB) de setembro de 2011, entre julho e dezembro deste ano, a inclusão do middleware da interatividade é opcional.

A decisão encerra a queda de braço entre governo e indústria sobre o cronograma para incorporação do Ginga nos televisores com tela de cristal líquido produzido na Zona Franca de Manaus. A proposta do governo era de que o middleware fosse incluído em 50% de todos os televisores a partir de junho deste ano, exigência já flexibilizada da que foi apresentada em setembro do ano passado, na proposta do PPB que foi a consulta pública, de 75% dos televisores a partir de janeiro deste ano.

A indústria, por sua vez, defendia a inclusão do Ginga em 10% das TVs conectadas a partir de outubro deste ano, alegando que não tinha condições de atender a exigência da proposta governamental. Os fabricantes chegaram a ameaçar entrar na justiça, caso esse cronograma fosse imposto. Acabaram vencedores da disputa.

A proposta da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletrônicos (Eletros) além de 10% dos televisores conectados em outubro deste ano, previa a inclusão do Ginga em 50% dos televisores em 2013 e em perto de 95% dos aparelhos em 2014, ano da Copa do Mundo. Já o PPB publicado hoje, além dos 75% dos televisores com Ginga até 31 de dezembro de 2013, prevê a inclusão do middleware da interatividade da TV digital em 90% dos televisores produzidos a partir de 1º de janeiro de 2014.