Brasil tem 2,4% de internautas usando IPv6


shutterstock_marutti_tecnologia_rede_conexao_iconeA internet está mudando. O protocolo que permite endereçar sites, aplicações e conexões mais usado até hoje, o IPv4, se esgotou ano passado no Brasil e em diversos países. Desde então organismos de governança da rede, como o NIC.br no Brasil, incentivam a migração para o IPv6, um novo protocolo, de 128 bits. Para se ter uma ideia, enquanto o IPv4, de 32 bits, é capaz de gerar 4 bilhões de IPs, o IPv6 gera 340 undecilhões de IPs (340 seguido de 36 zeros).

Nessa corrida para evitar que a internet fique impedida de receber novos endereços, os Estados Unidos são os líderes. O país por onde passa a maior parte do tráfego mundial já tem 21% dos internautas usando conexões capazes de reconhecer o IPv6.

O Brasil tinha, em 1° de julho, 2,4% das conexões em IPv6. Os dados são da Cisco. O percentual é baixo, mas visto como positivo no NIC.br quando comparado à situação de sete meses atrás. Em 1° de janeiro o número era quase nulo, apenas 0,11% das conexões no Brasil usavam o novo protocolo. O número atual equivale a 2,65 milhões de usuários.

Em comparação com outros países, o Brasil também mostra o melhor desempenho na América do Sul e Latina. A performance é melhor que a de Chile (0,01% dos usuários), Argentina (0,02%) e México (0,02%). Ficamos atrás de países como Japão, onde o índice é de 7%. Na China, entre 1,69% e 2,85% dos navegantes adotam o IPv6.

Embora as operadoras não comentem, a expansão se deve ao plano firmado ano passado com Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e NIC.br. O acordou definiu os prazos para a oferta aos usuários. Nenhuma quis abrir o valor gasto para atualizar equipamentos entre roteadores, switches ou mesmo os modems situados no cliente final – algo que vem acontecendo desde 2011.

A partir de dezembro, as empresas deveriam ofertar 100% da capacidade de trânsito e das interconexões em pontos de troca de tráfego no novo protocolo. Também deveriam vender, a novos clientes corporativos, planos em IPv6. Isso explica o crescimento do quase zero a 2,4%. Agora, o número deve ganhar corpo com a entrada do IPv6 no varejo. Desde 1° de julho as empresas têm a obrigação de atender com o novo protocolo novos usuários de grandes centros.

Cada operadora tem uma missão e um entendimento nessa questão. Alexander Castro, diretor do SindiTelebrasil fala por todas. Ele ressalta que paira no ar a dúvida do que a Anatel vai considerar grandes centros. “Há operadoras se precavendo, ofertando o IPv6 em cidades com população acima de um determinado número. Outras preferiram considerar grandes centros as capitais dos estados”, conta. Ainda haverá uma reunião de ajuste na Anatel, para definição dos termos, de onde o SindiTelebrasil espera sair com mais prazo caso o entendimento seja de atendimento com base em população.

A Anatel preferiu não comentar esta sombra do acordo. A Agência terá de fiscalizar se a oferta segue o cronograma, e até agora não mostrou levantamentos próprios sobre a situação do IPv6 no país. As operadoras afirmam que já atendem o acordo, ofertando o novo protocolo a 100% dos novos usuários. “Em havendo disponibilidade, os clientes da base legada podem pedir a migração”, diz Castro, que admite que, se as regras exigem migração total, nenhuma operadora teria condições de fazê-lo ainda este ano.

“Tem um varejo muito grande, pequenos provedores operaram em IPv4, os governos, federal e estaduais, ainda operam predominantemente em IPv4”, minimiza Castro. Segundo ele, há elementos de rede que trabalham com o protocolo antigo, e podem ser substituídos apenas depois de 2025. O acordo não define um horizonte para que toda a web no país adote o protocolo mais moderno. O governo federal, por exemplo, têm até 2018 para concluir a migração de seus sites, serviços online e outros sistemas.

As operadoras, porém, tranquilizam. Dizem que, enquanto existir um conteúdo e um assinante operando apenas em IPv4, vão continuar ofertando ambos os protocolos por meio de soluções de compartilhamento de IPs, inexistindo o risco de um serviço online funcionar apenas por IPv6.

Anterior Chineses processam Samsung por excesso de apps no celular
Próximos Projetos com incentivo fiscal do REPNBL somam R$ 17,7 bilhões