Importação de celulares cresce 224% em janeiro


O déficit da balança comercial dos produtos elétricos e eletrônicos atingiu US$ 2,2 bilhões em janeiro de 2017. Segundo dados da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), o resultado é 54% superior ao registrado no mesmo período do ano passado (US$ 1,4 bilhão).

O crescimento do déficit reflete o desempenho das importações, que aumentaram 39,2%, passando de US$ 1,8 bilhão para US$ 2,5 bilhões no primeiro mês do ano. Os semicondutores foram os itens mais importados do setor, somando US$ 439 milhões, resultado 129% acima do apontado em janeiro de 2016.

abinee-saldo-comercial-balanca-jan-2017Destacou-se, também, a expansão significativa das importações de telefones celulares, que aumentaram de US$ 20 milhões, em janeiro de 2016, para US$ 66 milhões, em janeiro de 2017, evolução de 224%.

PUBLICIDADE

A alta das importações atingiu todas as áreas representadas pela Abinee, com exceção do segmento de automação, e com destaque para o aumento de 45,5% dos componentes elétricos e eletrônicos, cujo montante representa 60% das importações totais do setor.

As exportações, por sua vez, apresentaram redução, somando US$ 349,3 milhões em janeiro, queda de 13% em relação ao mesmo período do ano passado. Essa retração ocorreu em função da queda nas vendas externas de Equipamentos Industriais (-62,6%) e de bens de Informática (-25,8%), uma vez que as exportações de produtos das demais áreas cresceram.

Por outro lado, cresceram as vendas externas de bens das demais áreas, e em alguns casos as taxas atingiram mais de 40%, como em GTD – Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica (+68,3%), bens de Telecomunicações (+51,6%) e Material Elétrico de Instalação (+41,3%). Destacaram-se os incrementos nas exportações de transformadores (+125%), estações rádio base (+286%) e aparelhos elétricos de iluminação de metais comuns (+456%), respectivamente. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Setor de telecomunicações lança Projeto 5G Brasil
Próximos Quantum Fly passa a ser vendido também no varejo físico