Identificação digital única é consenso entre candidatos à presidência


Alguns dos candidatos à Presidência apresentaram suas propostas para a digitalização da economia ou da sociedade brasileira hoje (7) durante o evento GovTech, realizado em São Paulo. Em comum, todos falaram da necessidade de haver uma identificação digital única do cidadão.

João Amoedo, do partido NOVO, prometeu a criação de um ministério dedicado ao gerenciamento público, encarregado de tocar as políticas de governo eletrônico. “Acho que podemos incentivar a ampla adoção de sistemas digitais para melhorar a oferta de serviços públicos”, falou. Segundo ele, tudo seria feito em parcerias público-privadas.

Guilherme Boulos, candidato do PSOL, falou em levar o conceito de identidade digital única, nos moldes do Login Cidadão Digital do Rio Grande do Sul, a todo o país. Para ele, a tecnologia pode ter papel da redução da burocracia, inclusive na participação popular em temas decisivos. E promete destinar o FUST à universalização da banda larga. “No nosso governo vamos usar o fundo”, cravou. Ele também disse que seria criado um aplicativo do SUS, para agendamento de consulta e acompanhamento da fila de atendimento.

Henrique Meirelles, do MDB, chegou atrasado ao evento. Sua proposta prevê que a identificação única digital sirva, inclusive, para correspondência de dados de saúde dos cidadãos em hospitais públicos e privados. “Um cartão que registra todos os dados do usuário, inclusive, por exemplo, o histórico médico”, falou. Ele também prometeu incentivar o surgimento de startups e criar um Gabinete Digital, responsável pelas políticas digitais.

Além da identidade digital única, Geraldo Alckmin, do PSDB, propôs universalizar o acesso à internet, sem detalhar como isso seria feito. Afirmou que haveria metas para saúde eletrônica, educação a distância e segurança pública. Também pretende estimular o surgimento de startups e alterar regras para PPPs, para que estas empresas possam participar das licitações. “Nossa proposta é simplificar, desburocratizar, mudar a cultural cartorial que existe no Brasil”, falou.

Já Marina Silva, do REDE Sustetabilidade, defendeu a criação da identificação digital única e acelerar a adoção de governo eletrônico. A candidata também propôs o desenvolvimento de sistemas para permitir a participação social por meios digitais e transparência a dados públicos. E disse que pretende unir as políticas tocadas de modo individual por diferentes ministérios. “Um programa de integração das diferentes tecnologias que já estão em uso no governo”, prometeu.

Outros candidatos não participaram do evento, em que cada político foi entrevistado individualmente pelo apresentador de TV Luciano Huck.

Anterior Pharol e Oi trocam farpas pelo restabelecimento de direitos políticos de conselheiros
Próximos Cai 15,6% reclamação do serviço de telecom, informa Anatel: 1,4 milhão no semestre