IBM compra a Red Hat por US$ 34 bilhões


Jim Whitehurst, que será mantido no comando da Red Hate, e Ginni Rometty, presidente da IBM

A IBM anunciou a aquisição da Red Hat neste domingo. A transação vai movimentar US$ 34 bilhões. Com o negócio, espera se tornar a maior fornecedora de software para nuvem híbrida do mundo, superando as concorrentes AWS, Microsoft e Google. O valor será pago com dinheiro em caixa. A IBM também vai emitir títulos para financiar a compra.

O valor pago é dez vezes superior à receita anual da Red Hat prevista para 2019, o que desagradou parte dos analistas de fundos de investimentos. Nesta segunda-feira, 29, as ações da IBM abriram em queda de mais de 5%, e no momento oscilam negativamente em 2%.

A compra ainda precisará de aprovação dos acionistas da Red Hat e do aval de reguladores. A expectativa, no entanto, é que não haja oposição dos acionistas ao negócio, uma vez que a IBM ofereceu um prêmio de mais de 60% em relação ao valor das ações da companhia. Os papeis da Red Hat abriram em alta de 45% nesta segunda-feira.

Sem mudanças

Oficialmente, não será realizada fusão das empresas. A Red Hat seguirá operando como unidade distinta do time de nuvem híbrida da IBM. Serão mantidos marca, escritórios, estratégias de marketing, modelo de negócio e desenvolvimento. A promessa é que nada mudará, também, na relação da Red Hat com a comunidade de código aberto. Será mantido o sistema de licenciamento livre e acesso a patentes obtidas pela empresa.

O acordo coloca nas mãos da IBM uma solução de código aberto, capaz de complementar suas ofertas. Também facilitará a venda de um conjunto de serviços que acelerem a migração de sistemas dos clientes de nuvem privada para modelos híbridos.  As companhias já vinham trabalhando juntas. Em março, anunciaram uma parceria para comercialização conjunta de uma solução de nuvem híbrida.

Anterior Anatel dá aval para aumento de capital da Oi
Próximos STF pede esclarecimentos da Anatel sobre interferência em OTTs