IBGE: Receitas de serviços de informação e comunicação caem mais uma vez em maio


No geral, o setor de serviços registrou crescimento nominal de 1,1%, em comparação ao mesmo mês do ano anterior, mas é a segunda menor taxa da série iniciada em 2012. A taxa do ano atingiu 2,3%. Além dos serviços de informação e comunicação, também caíram as receitas dos serviços prestados às família, -1,4%

O setor de serviços registrou, no mês de maio de 2015, um crescimento nominal de 1,1%, na comparação com igual mês do ano anterior, inferior às taxas de abril (1,7%) e março (6,1%), configurando-se como a segunda menor taxa da série iniciada em 2012, sendo a de fevereiro de 2015 (0,9%), a menor. A taxa acumulada no ano atingiu 2,3% e, em 12 meses, 3,8%.

Na comparação maio de 2015/maio de 2014, três dos cinco segmentos do setor de serviços registraram variações nominais positivas: Serviços profissionais, administrativos e complementares, com 5,5%; Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com 0,8%, e Outros serviços, com 0,3%. Apresentaram variações nominais negativas Serviços prestados às famílias, com -1,4% e Serviços de informação e comunicação, com -0,8%.

Em termos de composição da taxa global, as contribuições foram: Serviços profissionais, administrativos e complementares (1,2 p.p); Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (0,3 p.p.); Outros serviços não apresentaram contribuição significativa (0,0 p.p.) e tiveram contribuição negativa Serviços prestados às famílias (-0,1 p.p) e Serviços de informação e comunicação (-0,3 p.p.). A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).  ( assessoria de imprensa). 

PUBLICIDADE
Anterior Governo muda PPB de storage
Próximos Recompra de títulos da Telecom Italia chegou a € 980 milhões