IA: Huawei dá ênfase ao aprendizado de máquina


Eric Xu, chairman da Huawei

Na terceira edição anual do Huawei Connect, evento global para o setor de tecnologia da tecnologia da informação e comunicações que começou hoje, 10, em Xangai, Eric Xu, chairman da empresa, apresentou sua estratégia para a área inteligência artificial e seu portfólio para este segmento. “A estratégia de IA da Huawei é investir em pesquisa básica e no desenvolvimento de talentos, construir um portfólio completo de IA para todos os cenários e promover um ecossistema global aberto”, disse Xu.

A estratégia de IA da Huawei tem cinco áreas de foco:
1 – investir em pesquisa, desenvolvendo capacidades fundamentais para aprendizado de máquina em domínios como visão computacional, processamento de linguagem natural e decisão/inferência etc.;
2 – construir um completo portfólio de IA, fornecendo capacidade de computação acessível e abundante, uma plataforma eficiente, e tornar o portfólio adaptável a todos os cenários;
3 – desenvolver um ecossistema e talentos abertos;
4 – fortalecer o portfólio atual, introduzindo técnicas de IA em produtos e soluções existentes para criar maior valor e aumentar as vantagens competitivas;
5 – promover a eficiência operacional na Huawei, com o uso da IA em atividades comerciais rotineiras.

Dentro da pesquisa, Xu destacou que a Huawei dá ênfase especial à aprendizagem de máquina que seja eficientes em economia de dados e energia, segura e autônoma.

Lançamentos

Como parte de seu portfólio completo de IA, a Huawei lançou a série Ascend de IP e chips de IA, a primeira série de IP e chips de IA do mundo que atende nativamente todos os cenários, fornecendo uma taxa de TeraOPS ideal por watt. E apresentou novos produtos e serviços em nuvem construídos com os recursos do chip Ascend.

O portfólio de IA da Huawei também inclui:

• CANN (Compute Architecture for Neural Networks) – Esta arquitetura computacional para redes neurais é uma biblioteca para operadores de chips e um kit de ferramentas altamente automatizadas de desenvolvimento para operadores;

• MindSpore – Uma estrutura unificada de treinamento e inferência para dispositivo, periferia e nuvem (tanto autônoma quanto cooperativa);

• Ativação de aplicativos – Serviços completos de pipeline (ModelArts), APIs hierárquicas e soluções pré-integradas. (Com Assessoria de Imprensa)

Anterior PF faz operação contra ameaças às eleições em redes sociais
Próximos Vendas de equipamentos de informática e comunicação avançam 0,6% em agosto

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *