I.ndigo anuncia fusão com empresa norte americana para produção de apps


A I.ndigo, empresa brasileira de criação e desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis, anunciou nesta segunda-feira (18) a fusão com a Taqtile Mobility, empresa de mobilidade sediada em Seattle, nos Estados Unidos. As duas empresas trabalharam em parceria em projetos e agora unirão suas equipes e formarão um grupo multinacional com foco na criação de produtos que proporcionam experiências inovadoras e efetivas.

“Esta fusão é a formalização de uma parceria sólida que já existe. Temos trabalhado em estreita colaboração com a I.ndigo desde o início da Taqtile nos EUA. Este é simplesmente o próximo passo do nosso esforço em oferecer aos nossos clientes os melhores aplicativos e as melhores experiências digitais disponíveis em qualquer lugar. A combinação dessas duas grandes empresas é natural e vontade adicionar grande valor para nossos clientes e parceiros.”, diz John Tomizuka, co-fundador e líder de produto da Taqtile.

A decisão de unificar as marcas surgiu após a experiência bem sucedida no desenvolvimento do aplicativo para a posse do presidente norte-americano Barack Obama. Em agosto do ano passado a Taqtile também contou com a I.ndigo no projeto para a convenção nacional dos democratas.

Entre os benefícios da fusão, informaram as empresas em comunicado, estão “a solidez de parcerias com empresas norte-americanas, a diversidade da carteira de clientes atendidos no Brasil, a experiência e senioridade do corpo diretivo internacional e a força e competência de uma equipe com mais de 30 colaboradores entre engenheiros, planejadores e designers formados nas melhores universidades do Brasil e dos Estados Unidos.

A unificação da marca não significará mudanças na relação dos clientes com a empresa. Porém, os executivos apontam para um futuro com melhores serviços que utilizam suas plataformas. Com a fusão, pretendem atacar o mercado de maneira mais agressiva. (Fonte: assessoria de imprensa)

Anterior Level 3 reduz prejuízo em 2012
Próximos Luiz Fux só julga lei do SeAC (TV paga) no segundo semestre