Rafael-Guimaraes-hughes

A Hughes, provedora de internet via satélite, promete ampliar cobertura neste ano. A empresa vai começar a vender planos banda larga em mil novas cidades, inclusive nos estados de Amapá, Amazonas e Rondônia, que ainda não atende, a partir do terceiro trimestre.

Para fazer a expansão, vai usar capacidade do satélite Telstar 19 Vantage, conhecido no mercado como T19. A nave pertence à Telesat e ocupará a posição orbital brasileira de 63º Oeste. A previsão é que o satélite seja lançado no segundo trimestre, pela SpaceX, usando um foguete Falcon 9.

Atualmente, a Hughes, sob a marca HughesNet, cobre cerca de 4 mil cidades. Os planos têm velocidades de acesso que variam de 10 Mbps a 25 Mbps, que podem ser residenciais ou corporativos. Todos têm franquia de dados, que variam de 35 gigabytes a 80 gigabytes, e preços entre R$ 200 (mais barato residencial) e R$ 760 (corporativo mais caro).

Expansão na América Latina

Rafael Guimarães (foto), presidente da Hughes no Brasil, conta que a expansão faz parte da estratégia de longo prazo da companhia para a América Latina. A empresa começou a operar banda larga na região em 2016, e abriu uma subsidiária na Colômbia ano passado.

“Neste ano, a Hughes vai começar a operar também no Chile, no Equador e no Peru”, conta. Cada país terá seu presidente. “A expansão é baseada na capacidade de três satélites. O da Eutelsat 65º Oeste, já em uso, o T19, e o Jupiter 3, da Echostar, que vai atender os EUA e parte da América Latina”, ressalta. Echostar é a controladora da Hughes.

B2B com ou sem satélite

A Hughes terá outra novidade neste ano, no mercado corporativo. Vai lançar no Brasil, também no segundo semestre, a solução HughesOn. Trata-se de um serviço de SD-WAN, no qual a empresa usa tecnologia própria para integrar acessos de banda larga de grandes empresas.

A tecnologia é capaz de substituir as redes MPLS inteiras por acessos de provedores comuns, e não mais dedicados. “O MPLS já enfrenta gargalos. Com o SD-WAN, usando diferentes acessos e virtualizando aplicações locais, aumentamos a banda disponível em muitas vezes, garantindo o SLA [acordo de qualidade, na sigla em inglês]”, diz o executivo. Em pontos do Brasil onde haja carência de provedores, a Hughes entregaria o produto junto com sua conectividade por satélite.

O HughesOn é um dos principais produtos da Hughes nos EUA, onde é usado em 280 mil pontos do país. No Brasil, Guimarães espera que se torne, no médio prazo, a principal fonte de receita no segmento B2B.

Os lançamentos locais também são motivados por uma efeméride. Em março, a Hughes completa 50 anos de operação no Brasil. A empresa chegou ao país em 1968, quando foi contratada para lançar satélites pelo governo federal.