Huawei detalha o 4,5G e apresenta padrão LTE para “coisas”


A Huawei deu hoje (24), em Londres, no Reino Unido, mais detalhes de sua visão para a geração de rede que deve preceder o 5G. Batizada de 4,5G, a tecnologia é uma evolução do LTE-Advanced. Além de maior velocidade, o 4,5 G terá menor latência (abaixo de 10 milissegundos) e células com capacidade de realizar 100 mil conexões (contra as 1 mil do atual 4G). Segundo a empresa, a tecnologia já pode ser contratada pelas operadoras.

Para o usuário final, o 4,5G poderá aumentar a velocidade de download para 45 Mbps por usuário, em média, o que habilitará os smartphones a navegar por vídeos com resolução 2K. Atualmente, os dispositivos precisam de uma conexão com pelo menos 8 Mbps para realizar o streaming de vídeo HD.

Entre suas qualidades, diz a Huawei, o 4,5G aparece como uma atualização dos equipamentos LTE-Advanced já instalados ou disponíveis, o que dispensa grandes mudanças na infraestrutura. Os executivos da empresa esperam que o 3GPP defina o 4,5G como um padrão de rede ainda este ano, e que em 2016 já existam redes implementadas no mundo.

Compõem o 4,5G agregação de frequências licenciadas e não licenciadas (LTE-U), uso de MIMO (tecnologia com utilização de múliplas antenas transmitindo os dados em paralelo) e modulação 256QAM, tradicionalmente usada para transmissões de TV digital.

Além da infraestrutura de rede extensas, a companhia chinesa mostrou que um conceito de LTE que prevê a conexão de bilhões de equipamentos à rede graças ao M2M. Chamado de LTE-M, permitirá a comunicação entre máquinas e vestíveis, e será constituído por receivers próprios, que usam menos energia e demandarão menor potência que o 2G, distribuídos em uma rede.

A empresa exibiu uma pulseira inteligente que se conecta ao 4,5 G. A fabricante chinesa já negocia com fabricantes de dispositivos a adoção do padrão.

Vídeo e Nuvem
A companhia também mostrou seus esforços em desenvolver redes mais robustas para a transmissão da próxima geração de vídeos, especialment com resolução 2k e 4k. Mostrou o HTR (de high throughput router), um roteador que mantém o fluxo de dados acima dos 80 Mbps em conexões de 100 Mbps. O necessário para streaming de vídeo 4K, diz a empresa, são velocidades médias de 43Mbps. Atualmente, os roteadores “carrier grade” apresentam fluxo médio de 23 Mbps.

Isso vai de encontro a pesquisa feita pela própria Huawei, segundo a qual 75% das operadoras pretender melhorar a capacidade de rede devido à demanda por vídeo. Para 85% das operadoras, entregar resoluções de 2K ou 4K serão fundamentais para diferenciar a experiência do usuários. Apenas 15% acreditam que será possível permanecer com o SD ou HD no curto prazo.

No mundo, em 2016, 40% dos smartphones terão resolução 2K ou capacidade para rodar vídeos do tipo. Já o 4K estará disponível em 23 milhões de equipamentos – entre TVs e computadores – no próximo ano, prevê a Huawei.

A fornecedora também mostrou soluções de código aberto, baseadas em OpenStack e com recursos de virtualização de funções de rede para gerenciamento de nuvens híbridas. Anunciou o Cascading, protocolo que permite a comunicação entre nuvens privadas e públicas, conceito parecido com o padrão aberto Intercloud, desenvolvido pela Cisco.

Anterior Qualcomm diz que zero rating não discrimina o tráfego
Próximos Republicanos aumentam pressão pelo adiamento da decisão do FCC sobre neutralidade