Huawei registra crescimento de 24,4% nas receitas do ano


A fabricantes de equipamentos para redes Huawei divulgou hoje, 16, seus resultados financeiros para o terceiro trimestre de 2019. A empresa registrou aumento de 24,4% nas receitas de janeiro a setembro, na comparação ano a ano. Ao todo, a empresa vendeu o equivalente a US$ 86,1 bilhões. A margem de lucro líquido foi de 8,7%.

A empresa diz que atingiu o resultado graças a foco em produção de infraestrutura de telecomunicações, TI e dispositivos inteligentes. No fornecimento para operadoras, a empresa diz que obteve inúmeros contratos para implantação de redes 5G, além de redes de transporte.

Apenas em 5G, foram 60 contratos assinados e despachadas 400 mil antenas “MIMO ativas”. A produção de equipamentos de transmissão óptica, comunicação de dados e produtos de TI “cresceu firmemente”, diz a companhia no balanço não auditado.

Para mostrar que não vê ameaça na disputa com os Estados Unidos, que baniram a fabricante de fazer negócios do país, inclusive de adquirir componentes, a Huawei destacou no balanço o lançamento ocorrido no trimestre do “cluster” Atlas 900, especializado em treinamento de inteligência artificial. O cluster é formado por “milhares” de processadores Ascend, fabricados por empresa do grupo chinês.

Celulares

No mercado de telefonia celular, a empresa diz que as vendas aumentaram 26% de janeiro ao final de setembro, comparadas ao mesmo período de 2018. Neste ano, foram vendidos 185 milhões de smartphones Huawei. No começo deste mês a empresa lançou um novo celular, sem nenhum aplicativo do Google, em função do banimento dos EUA. Ainda não se sabe, portanto, o impacto que a política do governo de Donald Trump terá sobre as vendas da fabricante chinesa.

Novamente a empresa provocou os norte-americanos ao falar sobre isso no seu balanço. Diz que já tem 1,07 milhão de desenvolvedores, de 170 países, que se cadastraram em seu ecossistema de serviços móveis.

Anterior Anatel abre consulta sobre potência das ERBs em 2,3 GHz e 3,5 GHz
Próximos Correios e Telebras na rota da privatização

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *