Huawei prevê demissões devido a banimentos em diferentes países


Designed by Freepik

A Huawei já estuda quais serão os reflexos dos banimentos comerciais que vem sofrendo em diferentes mercados. Se mais países fizerem o mesmo que EUA, Austrália, Japão, Nova Zelândia, França, Reino Unidos e Alemanha a companhia terá de cortar custos e demitir funcionários. A afirmação é do fundador da companhia, Ren Zhengfei, em email enviado a funcionários e visto pelo site Mobile World Live.

A empresa tem 180 mil funcionários mundo afora, receita anual acima de US$ 100 bilhões e lucro acima dos US$ 7 bilhões, conforme relatório de 2017. O de 2018 ainda não foi publicado.

Conforme a publicação, ele admitiu que as projeções otimistas para o ano de 2019 não devem se concretizar. Disse, ainda, que o 5G não será uma tecnologia tão revolucionária como se imagina pois terá usos específicos, ao contrário do 4G, cuja maioria dos casos de implementação previa cobertura nacional. A maioria dos banimentos foca, justamente, a proibição de venda pela companhia de seus equipamentos de infraestrutura 5G.

Na semana passada, Zhengfei falou que a Huawei cresceria 20% em 2019 e que a guerra comercial entre Estados Unidos e China não impactaria suas receitas de forma significativa. Mas admitiu que o futuro seria desafiador. Também falou que a empresa não coleta ou repassa dados ao governo da China, que os banimentos são infundados e que as tecnologias da Huawei podem ser auditadas. (Com agências internacionais)

Anterior Para conter boataria, WhatsApp restringe reenvio de mensagens
Próximos Regulador rejeita proposta da Telecom Italia de abertura de rede