Huawei e Inatel investem em centro de inovação


inatel-huawei-CIDC-junho-2017
O Centro de Desenvolvimento de Competência e Inovação já funciona desde março com alunos da graduação em engenharia de telecomunicações do Inatel, pesquisadores e engenheiros da Huawei, em Santa Rita do Sapucaí (MG).

A fabricante Huawei investiu R$ 4,5 milhões na criação de um Centro de Desenvolvimento de Competências e Inovação no campus da Inatel, em Santa Rita do Sapucaí (MG). O centro começou a funcionar e março, mas será oficialmente inaugurado nesta terça-feira, 13. No local trabalham 20 engenheiros da fabricante, 35 pesquisadores da instituição de ensino e 60 estagiários.

O foco será formar profissionais para o setor de telecomunicações, especializados no fenômeno da transformação digital. “Esse centro tem por objetivo gerar novas soluções que atendam às necessidades dos nossos clientes, e essas soluções têm que estar alinhadas as nossos objetivos, como redução do time to market de produtos da operadora”, explica Luiz Gustavo Queiroz, head de serviços da Huawei do Brasil.

Este é o primeiro centro de formação de novos profissionais construído pela empresa fora da China. Segundo a Huawei, o local vai ajudar a atingir a meta de formar 20 mil profissionais aptos lidar com seus sistemas e com bons conhecimentos em tecnologias da informação e comunicação nos próximos três anos. A meta está na iniciativa Seeds For The Future – uma parceria com o Ministério da Educação e instituições de ensino, como PUC-RS, USP, Universidade Federal de Campina Grande, UnB, para realizar cursos de certificação.

Anterior CEO da Sprint vê grande sinergia em possível fusão com T-Mobile
Próximos Abratel tem novo presidente

3 Comments

  1. José Itamar Rizzotto
    12 de junho de 2017

    Bela e inovadora notícia. …trabalho com telecom e fico feliz com uma notícia assim onde fabricante faz investimento em mão de obra para qualificação em seus produtos pois a muito tempo anda sucateada esse setor aqui no Brasil. Parabéns! !!!

  2. Lteadvanced
    12 de junho de 2017

    Por um lado formam, por outro abusam de estagiários trabalhando como engenheiros fazendo horas extras (que não serão pagas).
    Ou contratando estagiários para receber muito menos que o mercado proporciona.
    É o jeito que essa empresa encontrou para concorrer com outras do mercado. Barateando a mão de obra, ao forçar funcionários a seguir metas para resolver a desorganização que acontece ali dentro.
    O futuro é esse.

  3. Arivaldo Araujo
    14 de junho de 2017

    Concordo Parcialmente com o cometário acima. Se de fato a empresa age assim, e sei que muitas o fazem, o estagiário nesse caso, deve aprender, apreender, extrair o máximo possível de conhecimentos e experiência para agregar ao seu curriculum, pois para essa área de trabalho não faltarão oportunidades.
    Que use como uma espécie de “residência médica”.