Hispasat desliga o satélite Amazonas 1


Satelite_Amazonas-1O Grupo Hispasat, operador espanhol de comunicação via satélite, concluiu o processo de deorbitação do satélite Amazonas 1. Este processo começou no último dia 19 e terminou hoje, 23, após a transmissão do último comando dado a partir de um dos Centros de Controle de Satélites do Grupo em Arganda del Rey. Com isso foi completado o procedimento de desligamento do satélite após 13 anos.

O satélite Amazonas 1 foi lançado em 5 de agosto de 2004 de Baikonur, a bordo do foguete Proton M Breeze M, da empresa ILS. Construído pela empresa EADS Astrium, atualmente Airbus, foi o primeiro satélite localizado na posição orbital brasileira de 61º Oeste. No país, tinha sua capacidade negociada pela subsidiária brasileira Hispamar, que tem a Oi entre os principais acionistas.

Em 2014, através de um acordo com a Intelsat, o satélite foi transferido para a posição 55,5º Oeste. Ao longo da sua vida útil, o Amazonas 1 realizou mais de 25 mil transmissões em 19 países, 613 manobras em órbita, além de testemunhar 1.170 eclipses da Terra e 29 da Lua.

O Amazonas 1 foi a pedra fundamental da expansão geográfica do Grupo para os mercados da América Latina. O satélite, com capacidade transatlântica e pan-americana, deu cobertura a todo o continente americano, Europa e norte da África. Baseado na plataforma Eurostar 3000, seus principais serviços foram a distribuição de canais de televisão, tanto na Europa como no continente americano, e outras soluções de telecomunicações, como redes corporativas e aplicações em banda larga, entre outros.

Antonio Abad, CTO do Grupo Hispasat, destacou que “o satélite Amazonas 1 foi muito especial para porque foi o primeiro passo rumo à internacionalização do Grupo. Inicialmente, o satélite sofreu um vazamento de combustível que pôs em dúvida o seu funcionamento. Apesar disto, o Amazonas 1 cumpriu a maior parte da sua vida útil, o que era impensável após aquela falha”.

Hoje o Amazonas 1 terminou de percorrer os 300 km que distam de sua posição a 36.000 km de distância da Terra até a “órbita cemitério”, onde ficou definitivamente localizado, como estabelecem as recomendações da União Internacional de Telecomunicações (UIT) e do Comitê de Coordenação Inter-Agências de Resíduo Espacial (Inter-Agency Space Debris Coordination Committee), para a boa manutenção da órbita geoestacionária quando um satélite finaliza sua vida útil. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Vivo lança aplicativo de meditação
Próximos Suprema Corte do México derruba decisão de regulador sobre interconexão