Hi Technologies lança serviço de telemedicina para exames laboratoriais


O Hilab associa inteligência artificial e internet das coisas. Após a coleta do sangue, os dados são transmitidos via internet para uma equipe de biomédicos que analisa a amostra e libera o laudo.

Portal-TeleSintese-produto-Hilab-telemedicina
Hilal: cápsula do reagente e dispositivo de transmissão dos dados

A Hi Technologies, empresa da qual a Positivo Tecnologia é sócia desde o ano passado (comprou metade das ações), anunciou ontem, 29, o Hilab, um serviço de medicina capaz de realizar exames laboratoriais para HIV, virus Zika, dengue, hepatite, entre outros, com extrema rapidez. Para isso, empresa tecnologias como inteligência artificial e Internet das Coisas (IoT), além de Big Data.

O Hilab, segundo a empresa, cabe na palma da mão e utiliza apenas gotas de sangue do dedo do paciente para a coleta. E o resultado é obtido em minutos , ou seja, uma pequena fração do tempo demandado pelo métodos tradicionais.

Segundo comunicado encaminhado ontem à CVM pela Positivo Tecnologia, o funcionamento é simples. Após a coleta do sangue, este é colocado em contato com os reagentes contidos em uma cápsula que, ao ser inserida no dispositivo, transmite via internet os dados para a equipe de biomédicos da Hi Tecnologies, que analisa e libera o laudo validado.

A solução desenvolvida pela Hi Technologies utiliza tecnologias Microsoft e Intel. Para cada tipo de exame há uma cápsula específica – o preço do serviço vai variar em função da complexidade do exame e de seu valor de mercado. Ainda de acordo com o comunicado, na verdade um press release sobre o serviço de telemedicina, o Hilal atua como um laboratório virtual. Os pontos de coleta são as próprias unidades de atendimento de postos de saúde, farmácias e hospitais que vierem a oferecer o serviço.

O comunicado destaca, ainda, que os exames laboratoriais representam 20,7% dos gastos dos planos de saúde privados e o mercado de medicina diagnóstica é estimado pela Agência Nacional de Saúde – ANS em R$ 25 bilhões. “O mercado de exames laboratoriais é enorme e estamos atuando junto com a Hi Technologies para conquistar uma fatia do segmento”, relata Hélio Rotemberg, CEO da Positivo Tecnologia. (Assessoria de Imprensa)

Anterior Anatel afirma que, sem ônus do PGMU, equilíbrio da concessão fica em risco
Próximos Fujtisu desenvolve tecnologia para acelerar IoT