Hélio Costa nega atritos com PMDB


O ministro das Comunicações, Hélio Costa, negou hoje, 18, que tenha tido atritos recentes com a bancada do PMDB no Congresso. Segundo ele, o relacionamento com os principais líderes do partido, senadores Renan Calheiros, presidente do Congresso, e José Sarney, sempre esteve bem. “O meu relacionamento com os presidentes Renan e Sarney não podia estar …

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, negou hoje, 18, que tenha tido atritos recentes com a bancada do PMDB no Congresso. Segundo ele, o relacionamento com os principais líderes do partido, senadores Renan Calheiros, presidente do Congresso, e José Sarney, sempre esteve bem. “O meu relacionamento com os presidentes Renan e Sarney não podia estar melhor. Eu estou permanentemente com eles, encontro o líder todos os dias”, disse o ministro.

Na semana passada, circularam informações na imprensa de que parte da bancada do PMDB estaria insatisfeita com o ministro. Um dos motivos seria o tratamento dado ao ex-secretário-executivo do Minicom, Tito Cardoso, ligado aos senadores Luiz Otávio (PMDB-PA) e Romero Jucá (PMDB-RR). Por estar sem poderes dentro do ministério, Cardoso pediu exoneração. Costa disse que o secretário se afastou do cargo porque foi convidado para ser secretário de administração em Belém, cujo prefeito é amigo pessoal dele, e também para ficar mais próximo da família.

“Segundo suas alegações por escrito, essas são as razões. Eu não tenho outras razões, pelo menos apresentadas a mim”, justificou o ministro. Costa participou hoje de manhã de reunião com o Renan Calheiros no Senado. Ao sair do encontro, foi efusivamente cumprimentado pelo senador Ney Suassuna (PMDB-AL), um dos caciques do partido.

Costa afirmou ser contrário ao lançamento de uma candidatura própria do PMDB à Presidência da República. “Se depender de mim não tem candidato. Acho que uma candidatura do PMDB hoje prejudica todas as alianças do PMDB em qualquer circunstância, em qualquer Estado”, afirmou. Segundo o ministro, se a convenção do PMDB, marcada para início de junho, decidir por uma candidatura própria, ele irá decidir se ficará ou não no governo. Para Costa, a candidatura própria dificulta o projeto maior do PMDB que é, neste momento, fazer uma grande bancada de deputados federais e senadores e aumentar o número de governadores. “Não podemos prejudicar o partido como um todo por causa de uma pretensa candidatura a presidente da República, seja ela de Itamar Franco ou Garotinho”, frisou.

TV digital

Costa informou que, até semana que vem, haverá uma reunião dos três ministros que foram ao Japão na semana passada (ele, Celso Amorim, das Relações Exteriores, e Luiz Fernando Furlan, do Desenvolvimento) com o presidente Lula para relatar o que foi conversado e acordado com o governo e as empresas japonesas em relação à eventual adoção do padrão de modulação ISDB-T para a TV digital brasileira. Para o ministro, caberá ao presidente decidir se representantes do governo brasileiro deverão ir à Europa para conversar também com os representantes do padrão DVB.

Anterior Com WiMax, operadoras podem "invadir" áreas umas das outras
Próximos Telemig: Sacramento no lugar de Grau