Hélio Costa deve receber Markun, da Cultura, na terça.


O impasse entre o Ministério das Comunicações e a TV Cultura de São Paulo, que lançou sua multiprogramação no serviço digital antes de ser autorizada pelo ministério, deve ser solucionado na terça-feira, 17, quando o ministro Hélio Costa deverá receber em audiência Paulo Markun, presidente da Fundação Padre Anchieta. Só depois do encontro, o ministro, …

O impasse entre o Ministério das Comunicações e a TV Cultura de São Paulo, que lançou sua multiprogramação no serviço digital antes de ser autorizada pelo ministério, deve ser solucionado na terça-feira, 17, quando o ministro Hélio Costa deverá receber em audiência Paulo Markun, presidente da Fundação Padre Anchieta. Só depois do encontro, o ministro, que pediu à Anatel que fiscalizasse o conteúdo digital que a Cultura estava levando ao ar, deverá manifestar sua posição final. Mas ambas as partes apostam no acordo e na permissão, pelo Minicom, para que a Cultura continua a exibir a multiprogramação, em caráter experimental, até o serviço ser regulado.

O desentendimento ocorreu porque o Ministério das Comunicações não se pronunciou sobre o pedido da Cultura, encaminhado no final de janeiro, para iniciar experimentalmente sua multiprogramação em transmissão digital. No entanto, em fevereiro editou uma norma sobre o Serviço de TV  Digital Pública permitindo apenas às emissoras ligadas à União (TV Brasil, Justiça, Câmara e Senado) a realização de multiprogramação, ou seja, abrindo a possibilidade de que, além da programação tradicional em formato digital, possam transmitir até outros três canais simultâneos. Questionado, o Minicom anunciou que em 90 dias lançaria a norma da multiprogramação para as Tvs educativas e comerciais, mas a TV Cultura, que já estava com dois programas prontos, um deles de ensino a distância, decidiu colocá-los no ar mesmo sem regulamentação.

Anterior Peru pode adotar padrão de TV digital igual ao do Brasil
Próximos Justiça manda desbloquear celular mesmo com fidelização