GVT quer expandir rede de fibras e serviços


A GVT está negociando a compra de ativos de rede, especialmente com provedores de backbones, de longa distância e entre cidades, para adquirir circuitos de fibras com capacidade ociosa e acendê-los com equipamentos próprios, explicou hoje em conferência à imprensa o diretor de relação com investidores da GVT, Karlis Kruklis. Isso deve responder por “50% …

A GVT está negociando a compra de ativos de rede, especialmente com provedores de backbones, de longa distância e entre cidades, para adquirir circuitos de fibras com capacidade ociosa e acendê-los com equipamentos próprios, explicou hoje em conferência à imprensa o diretor de relação com investidores da GVT, Karlis Kruklis. Isso deve responder por “50% da necessidade da GVT”, disse o executivo, que descartou a compra de empresas, reiterando que o interesse é apenas pela rede, acrescentando que “o nosso foco atual é em adquirir uma rede pronta, pela agilidade do processo.”

Esta rede auxiliará o lançamento de serviços em banda larga, previsto para o próximo semestre. O diretor afirmou que serviços de IPTV venham em uma segunda etapa, e que primeiro “estamos focando no  que chamamos de entrenenimento em banda larga, que inclui filmes, e-learning, e vídeo sob demanda.” O uso seria, inicialmente, para computadores, “mas nada limita que o cliente compre um setopbox e assista na sua tv”, observou.

Expansão

Kruklis anunciou os planos de expansão das atividades da operadora para 23 cidades na região Sudeste, fora da região II, para os próximos anos. A expansão deve atingir a primeira cidade ainda este ano, quatro em 2008, e o restante nos próximos anos. A operadora também esta se preparando para a portabilidade, com investimento estimado em R$ 6 milhões a partir deste ano e ao longo do primeiro semestre do ano que vem, sendo a maior parte deste investimento nos sistemas de TI, “para que o cliente possa fazer a migração em minutos, pela internet”, disse Kruklis.  

Parte da expansão da GVT passa pelo mercado corporativo, para o qual a operadora prepara lançamentos para o segundo semestre deste ano, como um data center próprio e o gerenciamento de serviços. “Nossa idéia é oferecer um pacote só para data center, ou o gerenciamento de todo o serviço, de acordo com a necessidade do cliente”, explicou o executivo, “com infra-estrutura própria, ou estabelecendo parceria para algumas soluções.”

Anterior GVT recorrerá à Anatel e ao Cade para redução de VU-M
Próximos Anatel aprova compra da TVA pela Telefônica com restrição