GVT inicia testes para IPTV


Em abril a GVT começa em Curitiba, Paraná, um teste do serviço IPTV com 300 clientes. O trial será feito com equipamentos da Cisco e da Ericsson, escolhidas na etapa final de uma RFP (request for proposal) que envolveu 22 frabricantes. Segundo Ricardo Sanfelice, diretor de marketing e produtos da GVT, cada fabricante vai instalar …

Em abril a GVT começa em Curitiba, Paraná, um teste do serviço IPTV com 300 clientes. O trial será feito com equipamentos da Cisco e da Ericsson, escolhidas na etapa final de uma RFP (request for proposal) que envolveu 22 frabricantes. Segundo Ricardo Sanfelice, diretor de marketing e produtos da GVT, cada fabricante vai instalar equipamentos para atender 150 clientes e, no final, a operadora fará as avaliações de desempenho, considerando flexibilidade e confiabilidade dos equipamentos. “Queremos avaliar também nossa rede”, informou Sanfelice.

Segundo o diretor da GVT, a empresa quer oferecer VOD (Video on Demand) e serviços de broadcasting. Para isso, precisa esperar a aprovação da nova lei de serviços de comunicação de massa e também alteração na Lei do Cabo, que proíbe a participação de serviços de TV por assinatura por empresas estrangeiras (a GVT é controlada por capital estrangeiro). A operadora é candidata a uma licença e quer ofertar os serviços para para o mercado residencial (classes A e B) e para pequenas empresas.

Ricardo Sanfelice, que participa do Alcatel-Lucent Enterprise Forum, que se realiza em Paris, França, diz que a GVT aguarda também a regulamentação pela Anatel do MVNO (mobile virtual network operators) para entrar no mercado de telefonia móvel. “Somos candidatos a obter licença. O MVNO é um modelo de sucesso na Europa e acredito que será também no Brasil, porque o país não comporta mais uma operadora de celular, mas tem espaço para novos competidores”, comentou o executivo. Com o MVNO os planos da GVT são contratar minutos das operadoras móveis e revender, com celular da marca GVT.

Sanfelice destacou que, na visão da GVT, uma operadora, hoje, não fornece apenas o link, mas tem que olhar a evolução dos produtos  e a tendência de mercado e entrar no ambiente do cliente. No caso da GVT, uma das soluções é de PABX IP. A empresa oferece como um serviço para as grandes corporações e avalia agora o lançamento do produto para as médias empresas. No caso dos equipamentos PABX, tem acordo de exclusividade com a Alcatel-Lucent.
 
“A adoção de voz sobre IP é um fato nas grandes corporações e a a comunicação IP está evoluindo para comunicações unificadas”, comenta Sanfelice. “O cenário econômico atual pode ser uma oportunidade para as comunicações unificadas, já que estas aplicações ajudam a reduzir custos melhorando a eficiência”, acredita.

* A jornalista viajou a convite da Alcatel-Lucent

Anterior Demanda por PABX ainda é grande no país
Próximos Intel e Sun Microsystems desenvolverão versão Java do Ginga