Ministro diz que desafio é conciliar interesse privado para banda larga chegar em todo o país


O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, ressaltou que o Brasil tem a maior proporção de conexões 3G da América Latinae que as iniciativas para conectar as pessoas vão continuar nos próximos quatro anos.

Ministro durante recebimento do prêmio, em Barcelona (Foto: Raoni Scandiuzi)
Ministro durante recebimento do prêmio, em Barcelona (Foto: Raoni Scandiuzi)

O governo brasileiro recebeu nesta terça-feira (3) o Prêmio de Liderança Global em Telecomunicações. A premiação é concedida pela GSMA a países que garantem a ampliação do acesso à telefonia móvel, redução de tarifas, transparência e investimento em telecomunicações. A distinção foi recebida pelo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, durante o Mobile World Congress, que acontece em Barcelona (Espanha) até 5 de março.

“O Brasil tem o compromisso de que as tecnologias da informação, principalmente os serviços móveis, devem servir para ampliar as oportunidades e reduzir as desigualdades”, afirmou o ministro.

A premiação, segundo o ministro, é também “um reconhecimento dos investimentos e do esforço regulatório, para que as empresas privadas possam participar ativamente dessa perspectiva de garantir a tecnologia como instrumento de cidadania e desenvolvimento econômico e social para todos os brasileiros e brasileiras”.

Berzoini ressaltou que iniciativas para conectar as pessoas devem continuar nos próximos quatro anos, e que o desafio será conciliar os interesses privados para levar a rede aos rincões no país “Através da tecnologia de satélite, fibra ótica e com o apoio decisivo das operadoras, nós poderemos cumprir esse compromisso, com bastante investimento governamental, mas também com muito investimento privado através de contrapartidas da autoridade reguladora às operadoras”, disse.

O setor de telecomunicações, segundo Berzoini, representa 4,7% do PIB do Brasil, tendo faturamento de R$ 227 bilhões em 2013. Só entre 2012 e 2013, houve um incremento de 9% nas receitas do setor, e em 2014 a alta na receita foi de 4%. Ainda de acordo com o ministro, o número de acessos de banda larga cresceu 430% em quatro anos, de 33,9 milhões para 181,8 milhões em dezembro do ano passado.

“O acesso à banda larga fixa e móvel cresceu principalmente devido ao acesso móvel, que conta com cinco operadoras atuando em âmbito nacional. O Brasil tem agora a maior proporção de conexões 3G da América Latina”, afirmou. “Os investimentos governamentais em pesquisas de desenvolvimento somaram aproximadamente R$ 200 milhões e 800 pesquisadores foram alocados em projetos no setor”, disse.

Até o final de 2014, mais de 27 milhões de domicílios tinham computadores pessoais com banda larga fixa. “O número de conexões móveis 3G e 4G ultrapassou 154 milhões, superando a meta original do Plano Nacional de Banda Larga”, afirmou. (Com assessoria de imprensa)

Anterior CPqD amplia debate sobre IoT
Próximos Operadora de celular da Colômbia vai fazer VoLTE

1 Comment

  1. JK
    3 de Março de 2015

    A ampliação da cobertura móvel só foi possível graças as políticas do governo, como as metas de cobertura impostas desde 2007 no primeiro leilão 3G, mantida no leilões seguintes como o leilão 4G urbana e rural em 2012 e a expansão da economia, da renda e do crédito na ultima decada, que acabou facilitando o acesso ao celular pelos brasileiros.

    Só espero que o governo mantenha essa atual política e não faça como o ano passado ao vender a faixa de 700 MHz, deixou de fora as metas de cobertura. Esse foi o maior erro do governo. Só espero que não se repita.

    Errar uma vez é humano. Errar duas vezes ou mais é burrice.